| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Folha do Delegado
Desde: 12/01/2011      Publicadas: 2101      Atualização: 14/12/2013

Capa |  ARQUIVO POLICIAL  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS  |  CRIMINOSOS CRUEIS  |  DESTAQUES  |  DIREITO & JUSTIÇA  |  LIÇÕES DE VIDA  |  MEUS ARTIGOS


 ARTIGOS DE OUTROS AUTORES
  07/02/2011
  0 comentário(s)


O nome dos orgãos da segurança pública em discussão

Ensaio atualizado (2011) sobre a revisão da nomenclatura dos órgãos da Segurança Pública, dentro do conceito de Gestão de Pessoas, apresentado (2009) no Fórum Brasileiro de Segurança Pública e Conseg/MJ.
O nome dos orgãos da segurança pública em discussão
O nome dos orgãos da segurança pública em discussão

Ensaio atualizado (2011) sobre a revisão da nomenclatura dos órgãos da Segurança Pública, dentro do conceito de Gestão de Pessoas, apresentado (2009) no Fórum Brasileiro de Segurança Pública e Conseg/MJ.

Por Eduardo Pascoal de Souza


I " Introdução

Conforme preconiza a CF, Segurança Pública é dever do Estado e responsabilidade todos, porém, qual a razão deste preceito constitucional?


Convém lembrar o conceituado Professor José Afonso da Silva, no "Ciclo de Estudos sobre Segurança" ao afirmar que:"... se faz necessária uma nova concepção de ordem pública, em que a colaboração e a integração comunitária sejam os novos e importantes referenciais".

A intenção da Assembléia Constituinte foi a de estabelecer como premissa

constitucional, que a sociedade e o Estado devem se integrar nas questões

atinentes à Segurança Pública.

Estrategicamente, já se verificou que as organizações pertinentes à Segurança

Pública somente são efetivas se estiverem sincronizadas com a sociedade,

inclusive, a partir disto surgiu conceitos como o de Polícia Comunitária.

Entretanto, para ocorrer a integração entre sociedade e Estado, são necessários mecanismos capazes de direcionar o público interno e externo das organizações pertinentes, a uma interatividade voltada ao objetivo comum, que é a Segurança Pública.

Como estamos falando de público, nos referimos as pessoas, isto é,

gente, um grande desafio ao Estado, uma vez que ainda se verifica dificuldades pelas instituições públicas, quanto às questões relativas à valorização do homem como pessoa por tais organizações, o que segue na contramão da iniciativa privada, onde já há algum tempo, percebeu-se que a Gestão de Pessoas é um dos diferenciais no mundo corporativo.


Conduzir uma organização sob o conceito de Gestão de Pessoas é

desenvolver mecanismos, dentro do contexto em que aquela se encontra,

capazes de tecer relações e direcionar o foco motivacional do público interno e

externo para os objetivos da organização; trata-se de elemento de vantagem

competitiva, essencial para a organização ter êxito em seu meio ambiente.

As pessoas no mundo das organizações precisam ser percebidas como gente!

Não são objetos voltados para a execução mecânica de atos ou

processamento de informações, mas sim seres com uma capacidade ímpar na

vida, a de criar coisas!

Toda e qualquer decisão humana tem a emoção como elemento propulsor, o

homem não só pensa, mas principalmente, sente emoções e estabelece

relação com tudo, basta aí citarmos o conhecido instinto de sobrevivência e

procriação que move a humanidade e todos os seres vivos, numa interação

criativa.

Como frisado, o homem sente e estabelece relação com tudo, sendo que nesta

dinâmica se observa o fenômeno identidade, ou seja, a cada contato que tem com o meio ambiente, o homem identifica coisas, em meio a um trabalho de classificação e individualização, neste processo, aquelas particularidades que despertam o seu interesse são motivos para estabelecer um vínculo.


Enfim, as pessoas apenas estabelecem relação com aquilo que se identificam,

assim, muitas organizações já perceberam isto e passaram a ter a

preocupação em definir uma identidade para o seu público, capazes de fixar

uma relação interativa e voltada aos seus objetivos.

Instituições financeiras são prova disto, muitas apresentam os seguintes

slogans publicitários: "O Banco da Nossa Gente", "Nós entendemos de Gente",

"Você é o mais importante", "Banco do João, Banco da Maria" etc.


Outras organizações especificam-se no critério territorial para definir a

identidade com o público, por exemplo: Carrefour Norte (Norte é um setor de

Brasília), Carrefour Sul (outro setor de Brasília), Extra Taguatinga (cidade satélite

do Distrito Federal), Extra Asa Norte (bairro de Brasília).

O artigo em questão considera que a reestruturação orgânica em linguagem

mais acessível, com a utilização de nomenclaturas apropriadas, especificamente no caso da segurança pública, é uma das maneiras de criar

identidade e atuar dentro do conceito de Gestão de Pessoas.

Isto porque os melhores resultados ocorrem com a aproximação da população

em geral (pessoas), uma vez que os mesmos passam a figurar como

colaboradores, além de fazer com que os profissionais da segurança (também

pessoas), reencontrem efetivamente os seus papéis dentro da organização e contexto os quais estão inseridos.

O presente artigo visa levantar a discussão sobre a importância da utilização

de uma linguagem organizacional, que por meio de nomenclaturas voltadas a

promover o evento identidade, venha a funcionar como um dos mecanismos de

Gestão de Pessoas, a fim de contribuir na integração Estado/Sociedade "

Segurança Pública.

II - Algumas Hipóteses

a) Quanto ao nível hierárquico

Toda e qualquer organização possui centros de competências classificados nos

seguintes níveis de atuação: estratégico, tático e operacional.

O estratégico diz respeito às ações de médio e principalmente, longo prazo, com o foco de decisão voltado para as questões principais da organização; cabe ao decisor estratégico estabelecer os rumos de sua organização, levando em

consideração o meio ambiente no qual este se encontra, tudo a fim de

cumprir a sua missão, a sua natureza.

Deste centro de competência (Alta Direção) partem as diretrizes gerais da organização.

No topo do nível estratégico de uma organização verificam-se as

nomenclaturas Direções, Diretorias, Presidência e outras mais que indicam órgãos que trabalham no sentido de estabelecer os objetivos gerais; o presidente ou diretor é o "visionário" que enxerga além da organização, é quem conhece os fenômenos que envolvem a todos.

Junto deste patamar, também funcionam órgãos que recebem os nomes de

Departamentos, Secretarias, Ministérios, Coordenadorias, Superintendências e

outros, tratam-se de centros de competência em que se desenvolvem as

reflexões, com o objetivo de interpretar os objetivos gerais para os demais níveis da organização.

Nestes órgãos se inicia a delimitação dos objetivos gerais. A proposta é que

para os mesmos, seja utilizada a nomenclatura GESTÃO.

O uso desta nomenclatura é um conceito administrativo moderno, o qual indica

que os assuntos pertinentes serão abordados e decididos por uma visão

integradora, o Gestor não é um gerente, chefe ou coordenador, mas sim, um

"mentor" que delimitará um caminho dentro do contexto de suas unidades

subordinadas, todavia, sem desconsiderar o conjunto da organização e tudo

que a envolve; a razão disto é orientar as suas unidades a atingir os objetivos

gerais definidos pela visão estratégica da Direção, Diretoria ou Presidência.

Assim, o objetivo do uso da nomenclatura Gestão é levar o público interno e

externo da organização, ao entendimento de que existe um centro(s) de

competência(s) que atua sob o referido conceito.

Como exemplo, utilizando nomenclaturas fictícias, a adaptação ocorreria da

seguinte forma: Coordenadoria de Assuntos Estratégicos passaria a ser

Gestão de Assuntos Estratégicos; Departamento de Recurso Humanos (um erro grave, as pessoas não são recursos, mas sim gente!), passaria a ser

Gestão de Pessoas; Secretaria de Administração Geral passaria a ser Gestão de Administração Geral e assim por diante.

No nível tático da organização ocorrem às decisões de médio e curto prazo, as mesmas são voltadas às questões internas da organização, isto a fim de viabilizar os objetivos definidos pelos Gestores, a visão do decisor tático é circunscrita a reorientação dos meios dsponíveis na oganização, um verdadeiro processo de reengenharia, sempre em atenção às decisões da Gestão.

É o principal responsável pela síntese do "que deve ser" da "Alta Direção" com "o que é" da "Linha de Frente", igual a um catalisador, concentra e absorve tanto a capacidade objetiva dos Gestores, quanto o potencial subjetivo dos colaboradores, combinando-os para fornecer meios a todos, no cumprimento de seus objetivos, assim, atua neste cenário investido no papel de "facilitador".


Neste nível, também se verifica nomenclaturas do tipo Divisão, Seção,

Seccionais, Regionais, enfim, um conjunto de nomes que leva os leitores a assimilar um significado de separatismo, ou seja, as pessoas são conduzidas à sensação de uma organização fragmentada, desunida.


A administração moderna, sob a ótica de Gestão de Pessoas, visa reforçar as

relações humanas do público externo e interno da organização, a idéia é unir e

não a de separar pessoas, assim, a proposta seria a do uso da nomenclatura

GERÊNCIA, que nos dá a idéia de desdobramento operacional para o conceito

superior de GESTÃO, isto demonstra que os níveis de atuação estratégico e

tático não são segmentados, bem como ao mesmo tempo demonstra que cada

um (Gestão-Gestor e Gerência-Gerente), detém autonomia no seu campo de competência.


Como exemplo, utilizando nomenclaturas fictícias, a adaptação ocorreria da

seguinte forma:


.Divisão de Recursos Materiais passaria a ser Gerência de Recursos Materiais, indicando que é decorrente da Gestão de Patrimônio e Material;

.Regional de Capturas passaria a ser Gerência de Capturas, indicando que é um desdobramento de uma Gestão de Custódia e Polícia Interestadual;

.Divisão de Operações Especiais para Gerência de Operações Especiais,indicando que é um desdobramento de uma Gestão de Atividades Especiais;


.Seção de Recursos Humanos (responsável pelas questões trabalhistas do

público interno) para Gerência de Pessoal, como desdobramento de uma Gestão de Pessoas.


b) Quanto ao critério territorial


O nível operacional de uma organização é voltado às decisões e atividades

voltadas a cumprir os objetivos gerais observados pelas Direções ou

Presidências, delimitados pelas Gestões e viabilizados pelas Gerências,

recebendo sempre que necessário a assessoria do nível tático da organização.


Por se tratar de um nível direto com o público destinatário dos seus serviços,

bem como, com os fenômenos os quais irão lidar, é importante ressaltar ou a

localidade ou a natureza de atuação, para ficar bem claro a proposta do

trabalho a ser desenvolvido.


Na Segurança Pública, aí se verifica as Fiscalizações, Companhias, Brigadas,

Quartéis, Batalhões, Delegacias e Postos Policiais, dentre outros.


Mas não basta utilizar uma nomenclatura de procedência geográfica ou

técnica-descritiva da atividade de um órgão, antes de tudo, deve-se considerar

qual a idéia ou o nome que o público usa para identificar o local que vive ou o

serviço que o Estado lhe presta.


Por exemplo, vamos supor ficticiamente as unidades que adotam as seguintes

nomenclaturas, em analogia às que realmente existem: 46ª Delegacia de

Polícia Civil (localizada na vila industrial de Alvarenga " cidade ficção) ou 1ª

Companhia Militar Independente (localizada em Botafogo " bairro ficção) ou 6ª

Brigada de Incêndio (localizada em Vicentinho " vila ficção).


O público que reside naquela localidade, aquele que acompanha a mídia e

principalmente, os agentes de segurança que trabalham na mesma organização mas em unidades distintas, bem como os demais agentes que atuam em outras organizações de segurança, poderão ter condições de entender aqueles nomes e situá-los dentro de um contexto de segurança pública integrada?


A proposta seria a seguinte:


Para as unidades que não são de natureza especializada, apresentar a

nomenclatura sob o seguinte modelo:


.De 46ª Delegacia de Polícia Civil (localizada na fictícia Vila Industrial de

Alvarenga) para Delegacia da Vila Industrial de Alvarenga " 46ª DP (Delegacia de Polícia).


Qualquer pessoa percebe que a nomenclatura "Delegacia" faz referência a um

órgão da polícia civil, inclusive, há outros órgãos tais como Delegacia de

Ensino, Delegacia do Trabalho, que remetem às pessoas à confusão, fazendo-as supor que também estes estabelecimentos (cuja natureza é de ensino ou

trato trabalhista) pertencem à polícia civil, o que nos leva mais uma vez ao

problema em discussão.


. De 1ª Companhia Militar Independente (localizada em Botafogo " bairro

fictício) para Polícia Militar de Botafogo " 1ª CPMind (Companhia Militar independente).


Como já dito, há estabelecimentos comerciais que se utilizam desta estratégia,

como os citados casos dos hipermercados que valem da nomenclatura

Carrefour Bairro e Extra Asa Norte, em referência ao nome que a comunidade do bairro Asa Norte/Brasília/DF, usa para identificar a base territorial em que se

encontra.


. De 6ª Brigada de Incêndio (localizada em Vicentinho " vila fictícia) para

Brigada de Incêndio de Vicentinho " 6ª BInc (Brigada de Incêndio). Aqui se consideraria o fato da vila fictícia ser nomeada pelos moradores como

Vicentinho, mesmo recebendo outra denominação oficial pelo Estado, como

setor São Vicente (nome também fictício).


Enfim, como seria a reação das pessoas ao perceberem que o nome que

usam para denominar a sua base territorial, foi "escolhido" pelo Estado

para designar as unidades de segurança que lá atuam?


Para as unidades de natureza especializada, que não são identificados por

consideração territorial, mas sim pelo destaque que a particularidade de sua

atividade promove, a idéia é adotar nomes que transfiram o valor dos serviços

que são prestados, com uma linguagem clara e direta.


Por exemplo: ao invés de Delegacia Especializada de Repressão e Combate

ao Tráfico de Entorpecente e Drogas Afins, poderia ser Unidade (ou Força) de

Repressão (ou Combate) às Drogas.


Interessante é a denominação usada quanto a classificação das unidades políciais distribuídas territorialmente, no caso se verifica o uso de Circunscrição ou Seccional Policial, Circunscricional e outros mais para designá-las, além disso, quanto ao seu órgão de Gestão, há nomenclaturas que não transmitem claramente o seu papel, como Coordenação das Seccionais de Polícia, Coordenadoria de Delegacias Policiais, Superintendência de Unidades Circunscricionais etc.


Neste caso, trata-se de um órgão responsável por questões estratégicas e táticas de unidades distribuídas territorialmente, enfim, com as nominações apresentadas, mesmo que correspondam burocraticamente às suas atribuições, o público jamais assimilará o valor integral que carrega este relevante centro de competência.


A sugestão é a adoção da nomenclatura Gestão de Polícia nas Cidades, o impacto é direto, a comunidade terá plena percepção de que o Estado

designou especialmente um Gestor, para lidar com as questões policiais em

sua comunidade; este profissional, que antes tinha a nominação de

coordenador, superintendente, diretor, agora ganha projeção fora da

organização, transmitindo o seu significado estratégico e tático a todos.


III " Conclusão


Estas foram algumas das hipóteses apresentadas, dentro de situações

formuladas ficticiamente, mas em analogia aos casos reais da Administração

Pública.


Entretanto, a Academia de Polícia Civil do Distrito Federal (APCDF), em seu

Curso de Atualização em Organização e Métodos, ministrado no ano de 2008,

cuja turma tive a felicidade de fazer parte, apresentou um trabalho que destaca

a importância da apresentação adequada de organograma, bem como da

padronização de nomenclaturas e siglas da Polícia Civil do Distrito Federal

(PCDF), voltadas para a melhoria da interação entre a população do DF e a

polícia judiciária do DF; nesta situação, a abordagem alcançou situações reais e específicas pertinentes a organização policial mencionada.


O Curso na APCDF foi ministrado pelo brilhante Professor M. Sc. Wellington

Pinto, que desenvolveu o aprendizado dentro de conceitos atuais, como Gestão do Conhecimento e Planejamento Estratégico, e mais particularmente, Gestão de Pessoas e Capital intelectual.


Assim, extraiu-se do mencionado curso e trabalho, parte do referencial teórico

para a elaboração deste ensaio, com a colaboração também da disciplina de Chefia e Liderança, ministrada no Curso Especial de Polícia (2008) na Academia de Polícia Civil do Distrito Federal.


A atividade criminosa possui um potencial destacado para angariar recursos

financeiros e materiais, todavia, por trás das criações, organizações e tudo

que conhecemos, encontram-se as pessoas, as suas emoções.

A maneira como o poder pessoal delas é cultivado e aproveitado é o diferencial neste mundo globalizado.


VI " Referências Bibliográficas


CHIAVENATTO, Idalberto.Gestão de Pessoas. São Paulo: Campus, 2004.


FEDERAL, Academia de Polícia Civil do Distrito. Curso de Pós-Graduação em Atividade Policial Judiciária, Curso Especial de Polícia (2008), Disciplina de Chefia e Liderança.

NONAKA, Ikujiro e HIROTAKA, Takeuchi, traduzido por RODRIGUES, Ana Beatriz e CELESTE, Priscilla Martins. Criação de Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

PINTO, Wellington Pinto.Curso de Atualização em Organização e Métodos -Academia de Polícia Civil do Distrito Federal. Brasília: 2008.


TURMA, Curso de Organização e Métodos. Apresentação de Organograma e Padronização de Nomenclaturas e Siglas da PCDF. Brasília: 2008.


http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/o-nome-dos-orgaos-da-seguranca-publica-em-discussao/51045/
  Autor:    Por Eduardo Pascoal de Souza


  Mais notícias da seção SEGURANÇA PUBLICA no caderno ARTIGOS DE OUTROS AUTORES
14/12/2013 - SEGURANÇA PUBLICA - CRIMES DE ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, DE CONSTITUIÇÃO DE MILÍCIA PRIVADA E DE ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA E PRISÃO TEMPORÁRIA : UMA LACUNA LEGAL
Duas legislações promoveram alterações na seara penal que têm repercussões processuais penais no que tange à Prisão Temporária regulada pela Lei 7.960/89, mas não deram a devida atenção a essa necessária visão sistemática do ordenamento jurídico, de forma a provocarem sérias dúvidas quanto à aplicabilidade do instituto processual sob análise. ...
06/11/2012 - SEGURANÇA PUBLICA - A INTELIGÊNCIA NAS GUARDAS MUNICIPAIS E NA SEGURANÇA PÚBLICA
A ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA - É o exercício sistemático de ações especializadas voltadas para a identificação, acompanhamento e avaliação de ameaças reais ou potenciais na esfera da segurança pública, bem como para a obtenção, a produção e a salvaguarda de conhecimentos, informações e dados que subsidiem ações para neutralizar, coibir e reprimir at...
02/11/2012 - SEGURANÇA PUBLICA - A VIOLÊNCIA NÃO É NORMAL
Até quando vamos encarar a violência como algo normal? ...
02/11/2012 - SEGURANÇA PUBLICA - Dia de Finados da Segurança Pública
O Brasil vive uma onda de violência em que a população se encontra a mercê de um "ESTADO" paralelo que diariamente demonstra o enfraquecimento das Instituições Públicas, em que o "estado" demonstra uma passividade ante o caos, porém não mede esforços para propagar que tudo está sobre controle, porém o que assistimos pasmos é um total descontrole, q...
29/05/2012 - SEGURANÇA PUBLICA - A CRIMINALIDADE MIDIÁTICA
Há Estado brasileiro que se a população fosse escolher um símbolo para a SSP do seu Estado, com certeza escolheria um simpático espantalho para representá-la, (o que, ainda, não é o caso de Sergipe), mediante as condições gerais em que as polícias se encontram. ...
21/05/2012 - SEGURANÇA PUBLICA - NOVA CONTAGEM DO PRAZO PRESCRICIONAL PARA OS CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL PRATICADOS CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES (LEI 12.650/12)
Nova Lei 12.650/12, referente à prescrição de crimes sexuais perpetrados contra menores....
15/12/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - PRISÃO PREVENTIVA PARA GARANTIA DE MEDIDAS PROTETIVAS: (IM)POSSIBILIDADE DE DECRETAÇÃO DIRETA
Embora o legislador afirme que a decretação da prisão preventiva, nesse caso, seja para garantir a execução das medidas protetivas de urgência, nada impede que a prisão preventiva seja imposta de maneira originária e autônoma....
17/11/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - RETRATO DA SEGURANÇA PÚBLICA
Recentemente foi realizada uma pesquisa CNI-Ibope - que ouviu 2.002 pessoas em 141 municípios entre os dias 28 e 31 de julho/2011....
13/11/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A OBEDIÊNCIA HIERÁRQUICA NOS LIMITES DA LEGALIDADE
Note a importância dada é á legalidade, pois, diariamente, lidamos com ela, frisando que os limites entre a legalidade e a ilegalidade, por muitas vezes, se confundem....
13/11/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Retratos da Sociedade Brasileira " Segurança Pública " Parte I
Na semana passada foram divulgados os resultados da Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria " CNI e do Grupo IBOPE que abordou a situação da segurança pública no Brasil, foram 2.002 entrevistas realizadas em 141 municípios, no período de 28 à 31 de julho de 2011....
07/11/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Dicotomia na Segurança Pública
O Governo do Estado de São Paulo tem adotado como política de governo para a segurança pública à atividade de delegada que consiste na delegação do poder de polícia administrativa do Município de São Paulo à Polícia Militar, através de convênio, permitindo que o Policial Militar trabalhe em seu horário de folga para a Corporação, porém exercendo at...
05/11/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Os problemas da USP e a questão do policiamento comunitário
Os conflitos entre estudantes da USP e a Polícia Militar demonstram, claramente, o que advertimos já há tempos: a dificuldade de se implantar um verdadeiro policiamento comunitário na sociedade brasileira....
03/11/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A INVESTIGAÇÃO CRIMINAL DA MODERNIDADE
A Investigação criminal é um conjunto de procedimentos para o esclarecimento de fato delituoso e descoberta de sua autoria...
05/10/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A LIDERANÇA NUMA ORGANIZAÇÃO POLICIAL MODERNA
Os líderes de uma organização policial devem estabelecer estratégias, através das quais, as metas se transformam em resultados e todos seguem com sintonia. ...
01/10/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - AVANÇO DA CRIMINALIDADE
O crime tem sido uma doença que acompanha o crescimento nas cidades e se relaciona diretamente com a situação econômica de cada cidadão. Atualmente, os crimes contra a vida e patrimônio tem crescido assustadoramente, é difícil encontrar alguma pessoa que não foi vítima da criminalidade....
17/08/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A independência funcional dos delegados de polícia
Os delegados de polícia precisam das garantias da vitaliciedade, inamovibilidade e irredutibilidade de subsídios, pela natureza da atividade que exercem....
15/07/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - FIANÇA, PRISÃO PREVENTIVA E A MATEMÁTICA NA LEI 12.403/11: UMA QUESTÃO INTERDISCIPLINAR
A reforma legislativa imposta pela Lei 12.403/11, ao mudar o critério qualitativo (penas de reclusão ou detenção) para determinação dos casos em que a Autoridade Policial pode arbitrar fiança, bem como para os casos de cabimento de Prisão Preventiva, adotando doravante um critério quantitativo (pena máxima acima de 4 anos para a preventiva e até e...
14/07/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Preso, estudo, esperança
Aplaudo com veemência a Lei 12.433, que possibilita o desconto de um dia de pena, em favor dos sentenciados, como prêmio para cada doze horas de frequencia escolar. ...
01/07/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Comentário à concessão da fiança decorrentes da Lei nº 12.403/2011
A partir do primeiro minuto do dia 04 de Julho do ano de 2011 o artigo 1º da Lei nº 12.403/2011 estabeleceu significativas mudanças no Código de Processo Penal para a imposição de prisão, medidas cautelares e a concessão da liberdade provisória com ou sem fiança....
01/07/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Da Prisão, Medidas Cautelares e Liberdade Provisória decorrentes da Lei nº 12.403/2011
A partir do primeiro minuto do dia 04 de Julho do ano de 2011 o artigo 1º da Lei nº 12.403/2011 estabeleceu significativas mudanças no Código de Processo Penal para a imposição de prisão, medidas cautelares e a concessão da liberdade provisória com ou sem fiança...
26/06/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - COMBATE À VIOLÊNCIA, UM DEVER DE TODOS.
No combate à violência é necessário que o Estado produza ações geradoras de ocorrências que indiquem, claramente, uma tomada de posição consistente para o enfrentamento da violência....
25/06/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A falência da Segurança Pública
O descaso da Administração Pública com as delegacias brasileiras e também com os profissionais da Polícia Civil é mais do que conhecido. Presos enjaulados, cenário de abandono e falta de polícias é a realidade infeliz deste País....
03/06/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A CULPA É DA POLÍCIA OU DA GUARDA MUNICIPAL?
"A CULPA É DA POLÍCIA OU DA GUARDA MUNICIPAL? MAS COMO TODOS SABEMOS QUE É DA GUARDA MUNICIPAL, ENTÃO NÃO É DA POLÍCIA! MAS COMO SE NÃO É NEM DA GUARDA MUNICIPAL OU DA POLÍCIA; DE QUEM É A CULPA ENTÃO?"...
17/05/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Na briga entre polícias, sociedade paga a conta
A dualidade de tratamento entre a Polícia Militar e a Polícia Civil está cada vez mais evidente no Estado de São Paulo. A diferença na destinação de verbas, por exemplo, é gritante entre as duas instituições. O investimento destinado à corporação da Policia Militar superou 35% do previsto nos últimos seis anos. Na prática, são R$ 296 milhões a mais...
09/05/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Nos trilhos da transparência
A recente divulgação das estatísticas criminais paulistas detalhadas ao nível dos distritos policiais foi comemorada como inédita. O argumento é que elas permitiriam conhecer, pela primeira vez, a realidade local do crime e da violência. Pelos dados publicados, por exemplo, pudemos constatar que o distrito policial do Parque Santo Antonio, na Zona ...
03/05/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Regulamentação das Guardas Municipais
A participação dos municípios na segurança pública é matéria controversa, em que vontades políticas sobrepõem os interesses da coletividade, sendo que em muitos casos são respaldadas pelo judiciário, criando anomalias pela ausência de norma regulamentadora....
02/05/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - MOVIMENTO DE REGULAMENTAÇÃO DAS GUARDAS MUNICIPAIS - "UMA VERDADE TEM QUE SER DITA E ESCLARECIDA"
Em meus 25 anos de estudos na área de segurança pública e direitos humanos, sempre de uma forma ou de outra se discutiu a participação do município no efetivo combate e prevenção à criminalidade. Todos meus amigos das Guardas Municipais, Prefeitos, Vereadores, Gestores, Professores e Alunos, escrevem, criticam e propõem. Esse assunto sempre vem sen...
02/05/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - União e Companheirismo
Tenho observado que, tem sempre alguém incomodado ou culpando este ou aquele motivo, a qual outro é responsável, e não vou acreditar que essa atitude vá auxiliar no progresso e promissor destino da NOSSA INSTITUIÇÃO, a GUARDA CIVIL METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO....
26/04/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A saga das vítimas e testemunhas
O sábio rei Weng resolveu visitar a prisão de seu palácio; queria escutar as queixas dos presos: "Sou inocente, vim para cá porque quis assustar minha mulher, sem querer a matei", dizia um acusado de homicídio. Outro resmungou: "Me acusaram de suborno, mas tudo que fiz foi aceitar um presente que me ofereciam". Na verdade, a maioria dos detentos cl...
23/04/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - O Guarda Civil Municipal e a Segurança Urbana
Hoje o sistema de Segurança Pública colocada à disposição dos brasileiros chega à beira da saturação, e para atender às necessidades atuais é preciso ações, estudos e reflexões sérias sobre segurança e, acima de tudo, vontade política....



Capa |  ARQUIVO POLICIAL  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS  |  CRIMINOSOS CRUEIS  |  DESTAQUES  |  DIREITO & JUSTIÇA  |  LIÇÕES DE VIDA  |  MEUS ARTIGOS
Busca em

  
2101 Notícias


MEUS ARTIGOS
  DROGAS
  O CRACK DO OIAPOQUE AO CHUÍ
  SEGURANÇA PUBLICA
  Desarmar o povo é dar segurança aos marginais
  DIVERSOS
  APENAS UMA CARTA DE GRATIDÃO
  DIVERSOS
  O PROIBIDO REXSPY
  DIVERSOS
  O defunto que morreu duas vezes
  DROGAS
  O PODER SOBRENATURAL DO CRACK
  DIVERSOS
  UMA COMPARAÇÃO MITOLOGICA ENTRE OS AMORES DE ARES O DEUS DA GUERRA E LAMPIÃO O REI DO CANGAÇO
  CRIMES SEXUAIS
  O "ESTUPRADO"

DESTAQUES
  DIVERSOS
  Meritíssimo
  SEGURANÇA PUBLICA
  Insegurança nossa de cada dia
  JORNALISMO
  85 anos da Independência: Ode ao Quatro de Outubro
  DIVERSOS
  Sustentabilidade que não é a Ambiental

LIÇÕES DE VIDA
  DIVERSOS
  ABC da Cidadania
  DIVERSOS
  Professor saúda ABRAVIPRE e tradições libertárias do Ceará
  DIVERSOS
  Galinha Tonta
  DIVERSOS
  A morte de Josué de Castro no exílio

CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS
  DIVERSOS
  Caso Carlinhos
  HOMICIDIO
  O Maniaco da Cruz
  HOMICIDIO
  Febrônio Índio do Brasil " O Filho da Luz
  HOMICIDIO
  o caso Andrei Chikatilo:
  HOMICIDIO
  O caso Ted Bundy:
  DIVERSOS
  Os casos de Charles Manson:

CRIMINOSOS CRUEIS
  DIVERSOS
  Horror absoluto: o genocídio silencioso
  HOMICIDIO
  O perigo mora ao lado
  DIVERSOS
  Uma sociedade de matadores
  HOMICIDIO
  BELEZA MEDONHA
  DIVERSOS
  HITLER E A CRUZ JAÍNA OU SUÁSTICA
  DIVERSOS
  O MÉDIUM DO ANTICRISTO

DIREITO & JUSTIÇA
  JUSTIÇA
  O juiz, a imprensa, o mensalão
  DIVERSOS
  MEDIDAS PROTETIVAS DA LEI MARIA DA PENHA CONFERE CAPACIDADE POSTULATÓRIA À MULHER
  DIVERSOS
  O GIGANTE DESPERTOU E AGORA QUER ACESSO À JUSTIÇA
  DIVERSOS
  DIREITO PENAL E O TERROR DE ESTADO. EU VOU P"RÁ RUA, SIM!
  DIVERSOS
  Ex-senador Demóstenes Torres é denunciado por corrupção passiva pelo MP-GO
  DIVERSOS
  N O T A D E R E P Ú D I O
  DIVERSOS
  Uma constelação de pontos fora da curva
  DIVERSOS
  SALÁRIOS DO MINISTÉRIO PUBLICO E JUDICIÁRIO DA BAHIA

ARQUIVO POLICIAL
  DIVERSOS
  O MASSACRE DO CARANDIRU: A HISTÓRIA ESTAVA ESCRITA NAS PAREDES
  DIVERSOS
  Ex-agente da CIA diz que mais famosa captura de disco voador nos EUA é real
  DIVERSOS
  O HOMEM SUICIDA
  DIVERSOS
  Pareja ( I )
  DIVERSOS
  Bandido sangue bom
  HOMICIDIO
  O Crime de Olímpio Campos
  HOMICIDIO
  O Crime de Fausto Cardoso
  HOMICIDIO
  O crime praticado por Gilberto Amado