| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Folha do Delegado
Desde: 12/01/2011      Publicadas: 2102      Atualização: 14/12/2013

Capa |  ARQUIVO POLICIAL  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS  |  CRIMINOSOS CRUEIS  |  DESTAQUES  |  DIREITO & JUSTIÇA  |  LIÇÕES DE VIDA  |  MEUS ARTIGOS


 ARTIGOS DE OUTROS AUTORES
  11/02/2011
  0 comentário(s)


UPPs servem para prevenção situacional de crimes
Não se pode confundir, portanto, a prevenção primária (que significa cuidar das raízes do crime, buscar suas causas mais profundas e interferir nelas) com a prevenção situacional (que é localizada, territorialmente determinada).
UPPs servem para prevenção situacional de crimesUPPs servem para prevenção situacional de crimes
Por Luiz Flávio Gomes

Uma das hipóteses mais aventadas pelos críticos das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) é a de que, mais do que diminuir as taxas de criminalidade e da violência, a instalação das Unidades de Polícia Pacificadora seria responsável pela fuga de traficantes e a migração do crime para outras áreas não contempladas por estas unidades, uma vez que a UPP não combate as causas sociais da criminalidade (as raízes) típicas das classes desfavorecidas, ou seja, não constitui um instrumento de prevenção primária, social, da criminalidade, mas um instrumento de prevenção situacional, que intervém pontualmente em um determinado espaço para impedir que nele o crime se manifeste.

Não se pode confundir, portanto, a prevenção primária (que significa cuidar das raízes do crime, buscar suas causas mais profundas e interferir nelas) com a prevenção situacional (que é localizada, territorialmente determinada).

Aspectos negativos da prevenção situacional
As Unidades de Polícia Pacificadora constituem situações de prevenção situacional que, normalmente, não evita o crime. Apenas o obstaculiza ou adia ou desloca sua prática (de um bairro para outro bairro, de uma cidade para outra cidade, de um Estado para outro ou de um país para outro).

Os efeitos da prevenção situacional, em princípio, não são tão positivos como se poderia supor, nem têm caráter geral (qualquer tipo de delito), nem, desde logo, a médio e longo prazo. Salvo em casos de uma demanda criminal rígida, o crime buscará outro espaço físico menos protegido, outro momento mais idôneo, outra vítima mais vulnerável, outra situação menos arriscada... para conseguir seus objetivos.

Referido deslocamento, ademais, terá com freqüência conotações sociais regressivas e discriminatórias, já que o infrator buscará as áreas e espaços cujos titulares não possam financiar o custo dos dispositivos de proteção, isto é, os de mais baixos níveis de renda; e, por sua vez, os poderes públicos polarizarão os esforços preventivos (entendidos em uma acepção meramente policial e restritiva) em torno dos grupos e subgrupos definidos ex ante como populações "conflituosas" (sempre minorias e baixos estratos sociais), ou os espaços físicos mais criminógenos (os subúrbios da cidade grande ou os seus bairros pior dotados).

Aspectos positivos da prevenção situacional e do deslocamento do crime
Há um setor da doutrina que mitiga os efeitos negativos do deslocamento do crime com a noção complementar da difusão de benefícios, isto é, invocando a influência positiva que a prevenção situacional pode ter além do contexto espaço-temporal da intervenção propriamente dita.

A comprovação de tais efeitos secundários e saudáveis teria permitido melhorar o desenho e rendimento dos programas de prevenção, sugerindo estratégias muito eficazes[1], como a distribuição gratuita e aleatória de dispositivos de segurança de elevado custo, não acessíveis a todos; a concentração de tais mecanismos nos objetivos mais vulneráveis e visíveis; a divulgação e publicidade de tais medidas para incrementar o efeito dissuasório nos infratores potenciais etc.[2]

As Unidades de Polícia Pacificadora não estão sendo instaladas necessariamente nas áreas mais violentas da cidade. Uma série de critérios é levada em conta no momento de escolher a comunidade a ser pacificada, dentre eles, a viabilidade de se alcançar o sucesso e a visibilidade da comunidade pacificada.

A pacificação de comunidades da Zona Sul do Rio de Janeiro podem, assim, ser fundamental para que se obtenha o apoio das classes médias e altas a essa política e se possa, posteriormente, implantá-la em outros bairros.

Os teóricos da prevenção situacional defendem, ademais, que o deslocamento da criminalidade pode produzir-se, mas não é inevitável e tem, em todo caso, alcance limitado. Além disso, nem sempre o deslocamento deve ser reputado negativo, como no caso do aparecimento de formas alternativas de criminalidade menos graves e sérias, ou de uma nova distribuição demográfica ou geográfica do delito socialmente menos nociva.

O fato de o número de homicídios ter caído e o de roubos de veículo aumentado em decorrência de uma nova política criminal, por exemplo, deve ser comemorado. Os defensores da prevenção situacional alegam que já se conhecem os mecanismos internos e condições previsíveis de deslocamento, de maneira que podem ser desenhadas estratégias situacionais adequadas para neutralizá-lo, e formulam critérios para explicar em que casos e sob quais condições é mais provável que se produza o deslocamento (teoria da adaptabilidade do delinqüente, da familiaridade do espaço físico, das propriedades que estruturam seletivamente a decisão criminal etc.).[3]

As repercussões das invasões no RJ em outros Estados
Com medo de ser o destino de traficantes do Rio de Janeiro em fuga, durante a ocupação do Complexo da Penha e do Alemão, em novembro de 2010, a maioria dos Estados do Nordeste tomou medidas para conter a possível entrada de criminosos na região. Estradas, portos, aeroportos e presídios foram monitorados 24 horas por dia, a fim de detectar qualquer possibilidade de ingresso de fugitivos.

Um dia após a ocupação do Complexo do Alemão, a Polícia Rodoviária Federal da Bahia, Estado da região mais próximo do confronto, passou a fiscalizar a entrada de todos os veículos nas divisas com os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Em Alagoas, a Polícia Civil reforçou o monitoramento dos presídios, onde estariam detidos supostos integrantes de facções criminosas do Rio de Janeiro, e a Polícia Rodoviária Federal utilizou todo o efetivo em operações nas rodovias, em especial nas divisas, para tentar fazer com que os fugitivos não chegassem ao Estado.

Em Pernambuco, a Polícia Rodoviária Federal e a Polícia Militar se uniram, ampliaram o efetivo e também monitoraram todos os veículos que entravam no Estado, inclusive com revista aos passageiros.

Em nota, a Secretaria de Defesa Social do Estado informou que "intensificou as ações de inteligência e a obtenção de informações com os órgãos de segurança do Rio de Janeiro, para identificar a eventual possibilidade de migração de criminosos para nosso Estado".

As autoridades traçaram estratégias para intensificar o controle dos acessos não só por terra, mas também nos aeroportos e portos.

Na Paraíba, o governo do Estado determinou que os setores de inteligência das polícias Militar e Civil acompanhassem atentamente a guerra ao tráfico do Rio. A Polícia Rodoviária Federal e a Polícia Militar também aumentaram o efetivo nas rodovias nas divisas do Estado, com a montagem de barreiras. As ações aconteceram em integração com os vizinhos Pernambuco e Rio Grande do Norte. A Secretaria de Segurança Pública do Ceará apenas informou que a coordenadoria de Inteligência analisou as informações sobre as atividades de traficantes no Rio.[4]

A segurança nas fronteiras também foi reforçada no Paraná e em Mato Grosso. Em Mato Grosso, a Polícia Militar disse ter intensificado o trabalho do Gefron (Grupo Especial de Segurança de Fronteira) desde o agravamento da crise no Rio.

Segundo o comandante da unidade, o tenente-coronel Antônio Mario Ibanez, havia a preocupação de que os criminosos pudessem diversificar suas ações e áreas de atuações. Como a droga entra pela fronteira, a segurança seria reforçada.

Já o delegado Ricardo Cubas Cesar, chefe da Delegacia da Polícia Federal em Guaíra, situada no extremo noroeste do Paraná, disse que o serviço de inteligência estava monitorando "possíveis reações" oriundas de uma base do Comando Vermelho na cidade vizinha paraguaia de Salto del Guayrá. Tal base existe desde 2006 e, de lá, traficantes controlam o comércio de maconha nos departamentos (equivalente a Estados) paraguaios de Canindeyu, Alto Paraná e Amambay.

O Comando Militar da Amazônia informou que antes da ação contra o tráfico no Rio já estava em curso uma operação de patrulhamento na fronteira do Amazonas com a Colômbia, maior produtor de cocaína do mundo. Segundo o comando, não houve mudança na estratégia de segurança das fronteiras após o início da operação no Complexo do Alemão.

Já em Mato Grosso do Sul, equipes da Polícia Federal, Força Nacional e da Polícia Rodoviária Federal aumentaram a atenção quanto ao possível uso das fronteiras com o Paraguai e a Bolívia como rota de fuga por traficantes vindos do Rio de Janeiro. Segundo o inspetor Eduardo Samúdio, chefe do setor de comunicação social da Polícia Rodoviária Federal no Estado, o objetivo era também impedir a entrada de drogas e armas. A fiscalização, segundo ele, já havia sido intensificada antes dos ataques registrados no Rio.

A Assessoria de Imprensa da Polícia Federal em Brasília negou que houvesse uma nova operação em andamento nas fronteiras. De acordo com a corporação, a fiscalização fazia parte das ações previstas na operação Sentinela, lançada em março e de caráter permanente.[5]

Repercussão internacional
Por fim, o coronel Luis Lanchipa, subcomandante da Polícia de Santa Cruz, no leste da Bolívia, afirmou que a Polícia Nacional da Bolívia temia que traficantes do fugissem para o território boliviano, devido à operação realizada pelas forças de segurança brasileiras no Complexo do Alemão, e que estavam fazendo constantes operações de segurança.

O então ministro brasileiro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, e o então ministro boliviano do Interior, Sacha Llorenti, acertaram, em Brasília, uma maior cooperação na fronteira para combater o tráfico de drogas. Os dois ministros analisaram a promoção de um plano regional de combate às drogas que incluísse também o Peru, país de vasta fronteira com os dois países.[6]

Conclusão

Se é bastante difícil demonstrar empiricamente o efeito de deslocamento da criminalidade de um bairro para outro, na mesma cidade, com características sócio-espaciais semelhantes, tendo em vista que inúmeros fatores podem ser responsáveis pela diminuição das taxas de criminalidade em um e o respectivo aumento em outro, torna-se praticamente impossível demonstrar empiricamente o efeito de deslocamento da criminalidade de um Estado para outro, ainda mais de um país para outro.

Trata-se, porém, de uma hipótese que deve ser analisada diante de indícios consistentes, tais como a fuga de traficantes para determinados locais e o súbito aumento da violência. Para a ciência do crime (Criminologia) importa observar atentamente o fenômeno da migração do crime, com o objetivo de poder traçar políticas de prevenção.

[1] Cf. GARCÍA-PABLOS DE MOLINA, Antonio e GOMES, L.F. Criminologia: introdução a seus fundamentos teóricos: introdução às bases criminológicas da Lei 9.099/95, lei dos juizados especiais criminais. 7 ed. reform., atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2010.

[2] Ibid. p. 369.

[3] Cf. GARCÍA-PABLOS DE MOLINA, Antonio e GOMES, L.F. Criminologia: introdução a seus fundamentos teóricos: introdução às bases criminológicas da Lei 9.099/95, lei dos juizados especiais criminais. 7 ed. reform., atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2010.

[4] http://noticias.uol.com.br/cotidiano/2010/12/01/estados-do-nordeste-montam-acoes-para-evitar-ingresso-de-traficantes-em-fuga-do-rio.jhtm

[5] http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/838724-apos-acoes-no-rio-parana-e-mato-grosso-reforcam-seguranca-na-fronteira.shtml

[6] http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI4818305-EI17320,00-Policia+da+Bolivia+teme+fuga+de+traficantes+do+Complexo+do+Alemao.html
  Web site: www.conjur.com.br/2011-fev-10/coluna-lfg-upps-servem-prevencao-situacional-crimes...  Autor:   Por Luiz Flávio Gomes - Publicado no CONJUR


  Mais notícias da seção SEGURANÇA PUBLICA no caderno ARTIGOS DE OUTROS AUTORES
14/12/2013 - SEGURANÇA PUBLICA - CRIMES DE ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, DE CONSTITUIÇÃO DE MILÍCIA PRIVADA E DE ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA E PRISÃO TEMPORÁRIA : UMA LACUNA LEGAL
Duas legislações promoveram alterações na seara penal que têm repercussões processuais penais no que tange à Prisão Temporária regulada pela Lei 7.960/89, mas não deram a devida atenção a essa necessária visão sistemática do ordenamento jurídico, de forma a provocarem sérias dúvidas quanto à aplicabilidade do instituto processual sob análise. ...
06/11/2012 - SEGURANÇA PUBLICA - A INTELIGÊNCIA NAS GUARDAS MUNICIPAIS E NA SEGURANÇA PÚBLICA
A ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA - É o exercício sistemático de ações especializadas voltadas para a identificação, acompanhamento e avaliação de ameaças reais ou potenciais na esfera da segurança pública, bem como para a obtenção, a produção e a salvaguarda de conhecimentos, informações e dados que subsidiem ações para neutralizar, coibir e reprimir at...
02/11/2012 - SEGURANÇA PUBLICA - A VIOLÊNCIA NÃO É NORMAL
Até quando vamos encarar a violência como algo normal? ...
02/11/2012 - SEGURANÇA PUBLICA - Dia de Finados da Segurança Pública
O Brasil vive uma onda de violência em que a população se encontra a mercê de um "ESTADO" paralelo que diariamente demonstra o enfraquecimento das Instituições Públicas, em que o "estado" demonstra uma passividade ante o caos, porém não mede esforços para propagar que tudo está sobre controle, porém o que assistimos pasmos é um total descontrole, q...
29/05/2012 - SEGURANÇA PUBLICA - A CRIMINALIDADE MIDIÁTICA
Há Estado brasileiro que se a população fosse escolher um símbolo para a SSP do seu Estado, com certeza escolheria um simpático espantalho para representá-la, (o que, ainda, não é o caso de Sergipe), mediante as condições gerais em que as polícias se encontram. ...
21/05/2012 - SEGURANÇA PUBLICA - NOVA CONTAGEM DO PRAZO PRESCRICIONAL PARA OS CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL PRATICADOS CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES (LEI 12.650/12)
Nova Lei 12.650/12, referente à prescrição de crimes sexuais perpetrados contra menores....
15/12/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - PRISÃO PREVENTIVA PARA GARANTIA DE MEDIDAS PROTETIVAS: (IM)POSSIBILIDADE DE DECRETAÇÃO DIRETA
Embora o legislador afirme que a decretação da prisão preventiva, nesse caso, seja para garantir a execução das medidas protetivas de urgência, nada impede que a prisão preventiva seja imposta de maneira originária e autônoma....
17/11/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - RETRATO DA SEGURANÇA PÚBLICA
Recentemente foi realizada uma pesquisa CNI-Ibope - que ouviu 2.002 pessoas em 141 municípios entre os dias 28 e 31 de julho/2011....
13/11/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A OBEDIÊNCIA HIERÁRQUICA NOS LIMITES DA LEGALIDADE
Note a importância dada é á legalidade, pois, diariamente, lidamos com ela, frisando que os limites entre a legalidade e a ilegalidade, por muitas vezes, se confundem....
13/11/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Retratos da Sociedade Brasileira " Segurança Pública " Parte I
Na semana passada foram divulgados os resultados da Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria " CNI e do Grupo IBOPE que abordou a situação da segurança pública no Brasil, foram 2.002 entrevistas realizadas em 141 municípios, no período de 28 à 31 de julho de 2011....
07/11/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Dicotomia na Segurança Pública
O Governo do Estado de São Paulo tem adotado como política de governo para a segurança pública à atividade de delegada que consiste na delegação do poder de polícia administrativa do Município de São Paulo à Polícia Militar, através de convênio, permitindo que o Policial Militar trabalhe em seu horário de folga para a Corporação, porém exercendo at...
05/11/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Os problemas da USP e a questão do policiamento comunitário
Os conflitos entre estudantes da USP e a Polícia Militar demonstram, claramente, o que advertimos já há tempos: a dificuldade de se implantar um verdadeiro policiamento comunitário na sociedade brasileira....
03/11/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A INVESTIGAÇÃO CRIMINAL DA MODERNIDADE
A Investigação criminal é um conjunto de procedimentos para o esclarecimento de fato delituoso e descoberta de sua autoria...
05/10/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A LIDERANÇA NUMA ORGANIZAÇÃO POLICIAL MODERNA
Os líderes de uma organização policial devem estabelecer estratégias, através das quais, as metas se transformam em resultados e todos seguem com sintonia. ...
01/10/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - AVANÇO DA CRIMINALIDADE
O crime tem sido uma doença que acompanha o crescimento nas cidades e se relaciona diretamente com a situação econômica de cada cidadão. Atualmente, os crimes contra a vida e patrimônio tem crescido assustadoramente, é difícil encontrar alguma pessoa que não foi vítima da criminalidade....
17/08/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A independência funcional dos delegados de polícia
Os delegados de polícia precisam das garantias da vitaliciedade, inamovibilidade e irredutibilidade de subsídios, pela natureza da atividade que exercem....
15/07/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - FIANÇA, PRISÃO PREVENTIVA E A MATEMÁTICA NA LEI 12.403/11: UMA QUESTÃO INTERDISCIPLINAR
A reforma legislativa imposta pela Lei 12.403/11, ao mudar o critério qualitativo (penas de reclusão ou detenção) para determinação dos casos em que a Autoridade Policial pode arbitrar fiança, bem como para os casos de cabimento de Prisão Preventiva, adotando doravante um critério quantitativo (pena máxima acima de 4 anos para a preventiva e até e...
14/07/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Preso, estudo, esperança
Aplaudo com veemência a Lei 12.433, que possibilita o desconto de um dia de pena, em favor dos sentenciados, como prêmio para cada doze horas de frequencia escolar. ...
01/07/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Comentário à concessão da fiança decorrentes da Lei nº 12.403/2011
A partir do primeiro minuto do dia 04 de Julho do ano de 2011 o artigo 1º da Lei nº 12.403/2011 estabeleceu significativas mudanças no Código de Processo Penal para a imposição de prisão, medidas cautelares e a concessão da liberdade provisória com ou sem fiança....
01/07/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Da Prisão, Medidas Cautelares e Liberdade Provisória decorrentes da Lei nº 12.403/2011
A partir do primeiro minuto do dia 04 de Julho do ano de 2011 o artigo 1º da Lei nº 12.403/2011 estabeleceu significativas mudanças no Código de Processo Penal para a imposição de prisão, medidas cautelares e a concessão da liberdade provisória com ou sem fiança...
26/06/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - COMBATE À VIOLÊNCIA, UM DEVER DE TODOS.
No combate à violência é necessário que o Estado produza ações geradoras de ocorrências que indiquem, claramente, uma tomada de posição consistente para o enfrentamento da violência....
25/06/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A falência da Segurança Pública
O descaso da Administração Pública com as delegacias brasileiras e também com os profissionais da Polícia Civil é mais do que conhecido. Presos enjaulados, cenário de abandono e falta de polícias é a realidade infeliz deste País....
03/06/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A CULPA É DA POLÍCIA OU DA GUARDA MUNICIPAL?
"A CULPA É DA POLÍCIA OU DA GUARDA MUNICIPAL? MAS COMO TODOS SABEMOS QUE É DA GUARDA MUNICIPAL, ENTÃO NÃO É DA POLÍCIA! MAS COMO SE NÃO É NEM DA GUARDA MUNICIPAL OU DA POLÍCIA; DE QUEM É A CULPA ENTÃO?"...
17/05/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Na briga entre polícias, sociedade paga a conta
A dualidade de tratamento entre a Polícia Militar e a Polícia Civil está cada vez mais evidente no Estado de São Paulo. A diferença na destinação de verbas, por exemplo, é gritante entre as duas instituições. O investimento destinado à corporação da Policia Militar superou 35% do previsto nos últimos seis anos. Na prática, são R$ 296 milhões a mais...
09/05/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Nos trilhos da transparência
A recente divulgação das estatísticas criminais paulistas detalhadas ao nível dos distritos policiais foi comemorada como inédita. O argumento é que elas permitiriam conhecer, pela primeira vez, a realidade local do crime e da violência. Pelos dados publicados, por exemplo, pudemos constatar que o distrito policial do Parque Santo Antonio, na Zona ...
03/05/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - Regulamentação das Guardas Municipais
A participação dos municípios na segurança pública é matéria controversa, em que vontades políticas sobrepõem os interesses da coletividade, sendo que em muitos casos são respaldadas pelo judiciário, criando anomalias pela ausência de norma regulamentadora....
02/05/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - MOVIMENTO DE REGULAMENTAÇÃO DAS GUARDAS MUNICIPAIS - "UMA VERDADE TEM QUE SER DITA E ESCLARECIDA"
Em meus 25 anos de estudos na área de segurança pública e direitos humanos, sempre de uma forma ou de outra se discutiu a participação do município no efetivo combate e prevenção à criminalidade. Todos meus amigos das Guardas Municipais, Prefeitos, Vereadores, Gestores, Professores e Alunos, escrevem, criticam e propõem. Esse assunto sempre vem sen...
02/05/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - União e Companheirismo
Tenho observado que, tem sempre alguém incomodado ou culpando este ou aquele motivo, a qual outro é responsável, e não vou acreditar que essa atitude vá auxiliar no progresso e promissor destino da NOSSA INSTITUIÇÃO, a GUARDA CIVIL METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO....
26/04/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - A saga das vítimas e testemunhas
O sábio rei Weng resolveu visitar a prisão de seu palácio; queria escutar as queixas dos presos: "Sou inocente, vim para cá porque quis assustar minha mulher, sem querer a matei", dizia um acusado de homicídio. Outro resmungou: "Me acusaram de suborno, mas tudo que fiz foi aceitar um presente que me ofereciam". Na verdade, a maioria dos detentos cl...
23/04/2011 - SEGURANÇA PUBLICA - O Guarda Civil Municipal e a Segurança Urbana
Hoje o sistema de Segurança Pública colocada à disposição dos brasileiros chega à beira da saturação, e para atender às necessidades atuais é preciso ações, estudos e reflexões sérias sobre segurança e, acima de tudo, vontade política....



Capa |  ARQUIVO POLICIAL  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS  |  CRIMINOSOS CRUEIS  |  DESTAQUES  |  DIREITO & JUSTIÇA  |  LIÇÕES DE VIDA  |  MEUS ARTIGOS
Busca em

  
2102 Notícias


MEUS ARTIGOS
  DROGAS
  O CRACK DO OIAPOQUE AO CHUÍ
  SEGURANÇA PUBLICA
  Desarmar o povo é dar segurança aos marginais
  DIVERSOS
  APENAS UMA CARTA DE GRATIDÃO
  DIVERSOS
  O PROIBIDO REXSPY
  DIVERSOS
  O defunto que morreu duas vezes
  DROGAS
  O PODER SOBRENATURAL DO CRACK
  DIVERSOS
  UMA COMPARAÇÃO MITOLOGICA ENTRE OS AMORES DE ARES O DEUS DA GUERRA E LAMPIÃO O REI DO CANGAÇO
  CRIMES SEXUAIS
  O "ESTUPRADO"

DESTAQUES
  DIVERSOS
  Meritíssimo
  SEGURANÇA PUBLICA
  Insegurança nossa de cada dia
  JORNALISMO
  85 anos da Independência: Ode ao Quatro de Outubro
  DIVERSOS
  Sustentabilidade que não é a Ambiental

LIÇÕES DE VIDA
  DIVERSOS
  ABC da Cidadania
  DIVERSOS
  Professor saúda ABRAVIPRE e tradições libertárias do Ceará
  DIVERSOS
  Galinha Tonta
  DIVERSOS
  A morte de Josué de Castro no exílio

CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS
  DIVERSOS
  Caso Carlinhos
  HOMICIDIO
  O Maniaco da Cruz
  HOMICIDIO
  Febrônio Índio do Brasil " O Filho da Luz
  HOMICIDIO
  o caso Andrei Chikatilo:
  HOMICIDIO
  O caso Ted Bundy:
  DIVERSOS
  Os casos de Charles Manson:

CRIMINOSOS CRUEIS
  DIVERSOS
  Horror absoluto: o genocídio silencioso
  HOMICIDIO
  O perigo mora ao lado
  DIVERSOS
  Uma sociedade de matadores
  HOMICIDIO
  BELEZA MEDONHA
  DIVERSOS
  HITLER E A CRUZ JAÍNA OU SUÁSTICA
  DIVERSOS
  O MÉDIUM DO ANTICRISTO

DIREITO & JUSTIÇA
  JUSTIÇA
  O juiz, a imprensa, o mensalão
  DIVERSOS
  MEDIDAS PROTETIVAS DA LEI MARIA DA PENHA CONFERE CAPACIDADE POSTULATÓRIA À MULHER
  DIVERSOS
  O GIGANTE DESPERTOU E AGORA QUER ACESSO À JUSTIÇA
  DIVERSOS
  DIREITO PENAL E O TERROR DE ESTADO. EU VOU P"RÁ RUA, SIM!
  DIVERSOS
  Ex-senador Demóstenes Torres é denunciado por corrupção passiva pelo MP-GO
  DIVERSOS
  N O T A D E R E P Ú D I O
  DIVERSOS
  Uma constelação de pontos fora da curva
  DIVERSOS
  SALÁRIOS DO MINISTÉRIO PUBLICO E JUDICIÁRIO DA BAHIA

ARQUIVO POLICIAL
  DIVERSOS
  O MASSACRE DO CARANDIRU: A HISTÓRIA ESTAVA ESCRITA NAS PAREDES
  DIVERSOS
  Ex-agente da CIA diz que mais famosa captura de disco voador nos EUA é real
  DIVERSOS
  O HOMEM SUICIDA
  DIVERSOS
  Pareja ( I )
  DIVERSOS
  Bandido sangue bom
  HOMICIDIO
  O Crime de Olímpio Campos
  HOMICIDIO
  O Crime de Fausto Cardoso
  HOMICIDIO
  O crime praticado por Gilberto Amado