| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Folha do Delegado
Desde: 12/01/2011      Publicadas: 2102      Atualização: 14/12/2013

Capa |  ARQUIVO POLICIAL  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS  |  CRIMINOSOS CRUEIS  |  DESTAQUES  |  DIREITO & JUSTIÇA  |  LIÇÕES DE VIDA  |  MEUS ARTIGOS


 ARTIGOS DE OUTROS AUTORES
  24/02/2011
  1 comentário(s)


Virgulino Ferreira da Silva - O cangaceiro Lampião
Virgulino Ferreira da Silva, vulgo Lampião, nasceu a sete de julho de 1897 no município de Villa Bella, hoje Serra Talhada, Estado de Pernambuco, e foi registrado no cartório da sua cidade natal a doze de agosto de 1900, conforme registro de nascimento reproduzido por Carvalho (1974). Era filho de José Ferreira dos Santos e Maria Sulema da Purificação, sendo defendido por diversos autores que pertencia à família Feitosa, dos Inhamuns, no Estado do Ceará. Com relação a esta possibilidade assim se expressa Macedo (1975, p. 25);
Virgulino Ferreira da Silva - O cangaceiro LampiãoVirgulino Ferreira da Silva - O cangaceiro Lampião


(*) José Romero Araújo Cardoso

Virgulino Ferreira da Silva, vulgo Lampião, nasceu a sete de julho de 1897 no município de Villa Bella, hoje Serra Talhada, Estado de Pernambuco, e foi registrado no cartório da sua cidade natal a doze de agosto de 1900, conforme registro de nascimento reproduzido por Carvalho (1974). Era filho de José Ferreira dos Santos e Maria Sulema da Purificação, sendo defendido por diversos autores que pertencia à família Feitosa, dos Inhamuns, no Estado do Ceará. Com relação a esta possibilidade assim se expressa Macedo (1975, p. 25);

"Se é verdade que o capitão Virgulino vinha do tronco Feitosa dos Inhamuns, a violência do sangue, de fato, era-lhe muito antiga. Família velha como o sertão dos sesmeiros e povoadores, dividia, no sul do Ceará, nos Inhamuns, o poderio com os Montes, outro clã de sangue quente e muito derramado naquelas paragens."

A primeira referência a esta vinculação genealógica de Virgulino Ferreira da Silva com a valente família cearense encontramos em seu biógrafo pioneiro, o jornalista paraibano Érico Gomes de Almeida, quando escreveu a obra, intitulada "Lampeão, sua história", escrita em1926 quando a fama do bandido atingia proporções exponenciais.
Quanto ao físico e indumentária, Leonardo Motta, célebre folclorista cearense, assim o descreveu;

"Amulatado, estatura meã; magro e semi-corcunda; barba e nuca ordinariamente raspados e sempre que é possível perfumados; na perna esquerda encravada uma bala, com que o alvejou o sargento "Quelé", da polícia parahybana; o olho direito branco e cego, escondido pelos óculos pardacentos, de aros dourados; mãos compridas que se assemelham a garras; os dedos cheios de anéis de brilhantes falsos e verdadeiros; ao pescoço, vasto e vistoso de cor berrante, preso ao lado por valioso anel de doutor em direito; sobre o peito, medalhas do padre Cícero, escapulários e saquinhos de "rezas fortes", chapéu de cangaceiro, tipicamente adornado de correias e metal branco; ensimesmado toda vez que defronta uma turma de curiosos; folgazão quando entre poucos estranhos ou no meio de comparsas; não se esquecendo de um guarda costa à direita sempre que desconhecidos o rodeiam; paletó de camisa de riscado, claro, calças de brim escuro; alpercatas reluzentes de ilhozes amarelos; a tira-colo, 2 pesados embornaes de balas e bugingangas, protegidos por uma coberta e chales finos; tórax guarnecido por 3 cartucheiras; ágil como um felino mas aparentando constante estropiamento e exaustão; às mãos um fuzil; à cintura duas pistolas "parabellum" e um punhal de 78 centímetros de lâmina." (In: Araújo, 1982, p. 76)

A vida antes e depois de entrar para o cangaço
Virgulino Ferreira da Silva levava vida normal como qualquer outro sertanejo antes de adentrar o cangaço, campeando o gado na caatinga, correndo em vaqueijadas, trabalhando em artesanato de couro e auxiliando o pai como almocreve. Esta última atividade certamente favoreceu-lhe bastante no conhecimento profundo das veredas do sertão. Gueiros (1953, p. 11) faz referências às façanhas de Lampião quando vaqueiro na adolescência, frisando que era respeitado e admirado nas ribeiras do riacho de São Domingos, que cortava a propriedade dos seus pais em Villa Bella.

Um pretenso roubo de chocalhos foi o responsável pelas primeiras escaramuças contra uma família antes amiga, ligada aos Ferreiras por fortes laços de compadrio. Os Saturninos da Pedreira, em alusão a propriedade Pedreira que situava-se vizinha às terras da família de Lampião, são apontados como pivô das refregas nos longínquos anos finais da década de 1910 do século passado, conforme Macedo (1975, p. 29-35).

Lampião estreou na senda do crime em seu estado natal, mas foi com a fixação de sua família em Alagoas, devido a acordo informal mantido com os rivais, que provocou a transferência de sua família para a não menos violenta localidade de Matinha de Água Branca (AL), onde ficou protegido pelo "coronel" Ulisses Luna. Foi em Alagoas que houve de fato a sua inserção no cangaço, bem como a de alguns irmãos seus à exceção de João Ferreira e Ezequiel, que depois se integraria também ao bando.

Ataques cruéis entre os anos iniciais da década de 1920 às localidades de Pariconhas, Espírito Santo e Poço Branco, todas no estado Alagoano, são apontados como as façanhas que renderam notoriedade regional aos irmãos Ferreira (Maciel, 1985, p. 15-29), embora a façanha que de fato lhe deu mais destaque tenha sido o saque à residência da Baronesa de Água Branca, residente em Água Branca (AL), Dona Joanna Vieira de Siqueira Torres (idem, p. 38-43).

Lampião serviu ainda como cangaceiro ao seu conterrâneo Sebastião Pereira e Silva, conhecido por Sinhô Pereira, que movia luta sem trégua contra os Carvalhos da mesma localidade de Villa Bella. Quando o comandante Sinhô Pereira deixou o sertão e fugiu para o estado de Goiás, foi a Lampião que o velho guerreiro do Pajeú entregou a chefia do bando (Macedo, 1975, p. 36-42).

Durante os vinte e dois anos que se entregou à vida bandoleira, Lampião não costumava penetrar no Piauí e na zona norte do estado do Ceará. No norte cearense nunca contou com o apoio do coronelato como na região sul, cuja estruturação de valhacoutos com certeza tenha garantido certo sucesso em suas empreitadas.

O número de companheiros em armas oscilava bastante. No início da carreira era reduzido, mas aumentou consideravelmente quando da sua ascensão a chefe do bando de Sinhô Pereira no ano de 1922, registrando-se provavelmente maior número de componentes quando do desfile de cento e cinco cangaceiros por ele chefiado a dois de setembro de 1926, na cidade de Cabrobó, estado de Pernambuco (Oliveira, 1985, p. 33). Em quatro de março do mesmo ano havia comparecido à cidade do Juazeiro do Norte (estado do Ceará), a convite do Dr. Floro Bartholomeu da Costa, amigo do Padre Cícero Romão Batista e líder político do sul do Ceará, para que fizesse parte dos Batalhões Patrióticos organizados pelo Presidente Arthur Bernardes que combatia o foco insurgente dos revoltosos comandados pelos oficiais do Exército Brasileiro, Miguel Costa e Luís Carlos Prestes,a conhecida Coluna Prestes. Nesta ocasião recebeu a falsa patente de "Capitão" das mãos do Padre Cícero. No ano de 1928, que marca a fuga dramática para os sertões baianos,em razão da repressão desmedida feita pelas polícias do Rio Grande do Norte, Ceará e Paraíba desencadeada por causa do frustrado ataque à cidade de Mossoró (estado do Rio Grande do Norte), ele se encontrava na companhia de apenas quatro bandoleiros.

Lampião buscava nos fenômenos e coisas da natureza a inspiração para os apelidos dos seus cangaceiros. Por isso registraram-se diversos bandidos com os nomes de jararaca, corisco, jandaia, jitirana, vereda, limoeiro, etc. Quando um cangaceiro morria seu apelido era herdado por outro cangaceiro que entrava no bando. Utilizava ainda a identificação dos seus subordinados a partir do local de origem, a exemplo dos celebérrimos José Baiano e Sabino das Abóboras. Abóboras era uma fazenda entre as cidades de Serra Talhada e Triunfo no estado de Pernambuco.
Mello (1985.p. 90-91), enfatiza que;

"Durante as duas décadas que compõem o seu período de correrias bem para além do que a ficção possa engendrar, chegou a exercer concreto domínio sobre áreas dos sertões de sete Estados do Nordeste, tendo o seu grupo em ocasiões de maior sucesso ido além dos cento e vinte componentes. Foram seus asseclas, num primeiro plano Antônio Ferreira da Silva, o Esperança; Livino Ferreira da Silva, que também se assinava Livino Ferreira dos Santos ou, ainda, Livino Ferreira de Souza, o vassoura, Ezequiel Ferreira da Silva ou Ezequiel Profeta dos Santos, o Ponto Fino; o seu cunhado Virgínio, o Moderno; e o seu diletíssimo amigo Luís Pedro Cordeiro, o Luís Pedro, todos mortos no cangaço. Em plano levemente inferior, vale citar os cabras Sabino Gomes de Góes, o Sabino; Antônio Rosa, o Antônio do Gelo; Cristino Gomes da Silva Cleto, o Corisco; José Leite de Santana, o jararaca; José Baiano, bandido que conduzia um ferro de gado com as suas iniciais, destinado a marcar mulheres nas faces, coxas ou nádegas, desde que usassem cabelos ou vestidos curtos; Ângelo Roque da Costa, o Labareda; Sátiro de tal, o Gato; Antônio Ribeiro, o José Sereno; Mariano Laurindo Granja, o Mariano, e mais os cabras Português e Moita Braba, todos tendo ascendido à chefia de seu subgrupo."

Principais cidades atacadas
Lampião protagonizou façanhas espetaculares, a exemplo da fuga desesperada em direção ao sul do estado do Ceará após o frustrado ataque de 13 de junho de 1927 à cidade de Mossoró, segunda maior núcleo urbano do estado do Rio Grande do Norte (Fernandes, 1999). Acossados por policiais de três estados (Rio Grande do Norte, Ceará e Paraíba), os cangaceiros conseguiram furar cercos intransponíveis.

No entanto, a mais ousada investida do grupo de Lampião não contou com a participação do chefe, quando a 27 de julho de 1924 seus irmãos comandando o bando, unidos ao de um cangaceiro paraibano de nome Francisco Pereira Dantas, conhecido por Chico Pereira do Jacu, da localidade de Nazarezinho, invadiram a cidade de Sousa (estado da Paraíba), conforme Nóbrega (1989, p. 71) e Mello (1985, p. 135). A ousadia dos bandidos resultou na perda do imprescindível valhacouto na região serrana que faz a divisa dos estados da Paraíba e Pernambuco. Houve empenho do mandonismo local e do governo paraibano na captura dos cangaceiros, embora revezes dignos de notas tenham acontecido às tropas destacadas para as missões, a exemplo do célebre combate de Serrote Preto no estado de Alagoas, quando a milícia da Paraíba foi quase que totalmente destroçada em tocaias fenomenais. O recrudescimento das perseguições a Lampião resultou na morte de Livino Ferreira, na localidade Tenório de Flores do Pajeú (estado de Pernambuco), embora a vindita do cangaceiro tenha sido marcada pela violência inaudita, atingindo populações indefesas de lugarejos perdidos nos confins da serra da Bernarda em Princesa (estado da Paraíba). O novo posicionamento da classe dominante desta região sertaneja do estado da Paraíba quanto ao tratamento aos bandidos personificou-se na instalação de um batalhão da Polícia Militar em Patos das Espinharas, no governo de João Suassuna (1924-1928), concentrando a atuação na fronteira com o estado de Pernambuco, epicentro do cangaceirismo por causa da proximidade com o vale do Pajeú, considerado o "celeiro dos bandidos".

Principais coiteiros de Lampião e a repressão do governo
Como forma de tentar se desvencilhar da mácula de ter homiziado cangaceiros, o chefe político de Princesa (PB), "Coronel" José Pereira Lima, que no início da década de Trinta do século passado moveu uma luta encarniçada contra o governo do presidente paraibano João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, financiou uma resposta erudita aos comentários propalados por Lampião de que o político sertanejo havia-lhe usurpado certa quantia em dinheiro que o cangaceiro lhe havia confiado, transformando-o numa espécie de banqueiro informal sem juros. O referido "coronel" encomendou ao jornalista paraibano Érico Gomes de Almeida a confecção de uma obra que traçou o perfil do bandido de forma bastante negativa, intitulada "Lampeão, sua história", constituindo-se na primeira biografia erudita de Virgulino Ferreira da Silva, que foi publicada em 1926.

Perseguido tenazmente pelas volantes paraibanas, Lampião não voltou mais à Paraíba, onde quem de fato o protegia era Marcolino Pereira Diniz, imortalizado por Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira no baião "Xanduzinha", gravado em 1950, que enaltecia o "caboclo Marcolino".

Seu apogeu começou a declinar após o mais impressionante feito de sua vida à margem da sociedade convencional, que foi a tentativa frustrada de saquear a cidade de Mossoró. Depois deste episódio seu eixo de atuação teve que ser radicalmente revertido.

Seus coiteiros mais importantes foram Antônio da Piçarra, de Brejo Santo (estado do Ceará), Ângelo da Jia, de Tacaratu (estado de Penambuco), "Coronel" Marçal Florentino Diniz e Laurindo Diniz, ambos de Princesa Isabel (estado da Paraíba), Marcolino Pereira Diniz, dos Patos de Irerê e também da região limítrofe da Paraíba com Penambuco. A repressão aos agentes patrocinadores do cangaço, principalmente após a tentativa de saque a Mossoró, é destacada por Mello (1985, p. 116), quando relata que;

Às voltas com o grave problemas das deserções que se seguiram ao revés em Mossoró, Lampião chega ao Pajeú, deparando-se com os primeiros e nada desprezíveis efeitos de um plano de governo concertado ainda no início do ano. É que com o advento do governo Estácio Coimbra, o novo chefe de polícia de Pernambuco, Eurico de Souza Leão, havia estabelecido novas diretrizes à repressào ao banditismo. O ponto central de sua firme orientação repousava no combate sem trégua aos coiteiros. Um a um iam descendo presos para a capital alguns dos principais aliados do cangaço. De Custódia, descem dois políticos influentes; de Tacaratu, o fazendeiro Arsênio Gomes; de Serra Talhada, o comerciante Ascendino Alves de Oliveira e o chefe político, "coronel" José Olavo de Andrada; de Rio Branco, descem mais alguns coiteiros, até que finalmente é preso o "coronel" Ângelo Lima, conhecido como Ângelo da Jia, à época o maior deles. A ação corajosa de Estácio Coimbra contra homens que, juntos, representavam milhares de votos, tira as muletas aos bandido. Sem o coiteiro o cangaceiro não é nada.

Lampião passou a agir no estado baiano no ano de 1928, inicialmente sob a proteção do "Coronel" Petronilo de Alcântara Reis. Durante um ano o "rei do cangaço" esteve longe das refregas e escaramuças, mas a traição do coiteiro que o recebeu na Bahia fê-lo voltar à ativa, com força redobrada e com uma perversidade inexplicável. O governo baiano passou a oferecer a quantia de cinqüenta contos de réis para quem, civil ou militar, o trouxesse às autoridades competentes de qualquer forma, vivo ou morto.

Contudo, apesar de todos os esforços olvidados, o estado da Bahia não estava preparado para enfrentar as artimanhas da guerra de guerrilhas de Lampião. Precisava-se que homens acostumados às suas estratégias fossem convocados para a luta contra o banditismo rural. Vieram, principalmente de Pernambuco, guerreiros das caatingas que conheciam todos os segredos da arte da guerra de Lampião, com destaque ao clã dos Nazarenos, famosos perseguidores do bandido e aquele que foi o matador de Corisco, "o diabo louro", José Osório de Farias, o célebre José Rufino.

Maria Bonita, a mulher de Lampião
Mas não só de estripulias nas caatingas baianas, alagoanas e sergipanas viveu Lampião e o seu bando recomposto nesta fase que ele inaugurou quando transpôs o rio São Francisco. Virgulino Ferreira da Silva encontrou no município de Jeremoabo (estado da Bahia), numa propriedade conhecida por Malhada da Caiçara, a companheira que o seguiu até os últimos momentos. Chamava-se Maria Déa de Oliveira, a qual passou à história com o apelido de Maria Bonita, a "rainha do cangaço". Corria o ano de 1930 e a cabocla sertaneja tinha menos de vinte anos de idade, sendo na ocasião casada com um sapateiro conhecido por José de Nenén. Maria Déa deixou o marido para acompanhar Lampião, causando a estranheza do comandante Sinhô Pereira quando da entrevista a Macedo em julho de 1975, cuja assertiva fomentou que nunca permitiu e nem permitiria a presença feminina no cangaço.

Mulheres se destacaram como bravas guerrilheiras, como a famosa Dadá, esposa de Corisco, ferida em combate no qual pereceu o valente cangaceiro que vingou Lampião.

Tiveram vários filhos, mas apenas uma sobreviveu, a qual recebeu o nome de Expedita. Nasceu em plena seca de 1932 no estado sergipano e foi entregue a coiteiros de confiança para que não se expusesse a agrura do cangaço. Foi criada por um vaqueiro de nome Severo Mamede que trabalhava na fazenda Exú, propriedade de um fazendeiro de nome Zequinha Andrade, que era compadre de Lampião. Havia acertado com Lampião para que o vaqueiro ficasse com a menina logo de pois do nascimento (Araújo, 1982, p. 17).

Documentário cinematográfico
Lampião se deixou filmar por um aventureiro de origem libanesa de nome Benjamin Abraão Botto. Secretário particular do Padre Cícero, Benjamin já havia tido contato com o cangaceiro quando este foi convocado por floro Bartolomeu da Costa para comparecer ao Juazeiro do Norte (CE) e receber uma falsa patente de Capitão do Exército Brasileiro. Com a morte do Padre Cícero Romão Batista em 1934, tentou convencer a empresa fotográfica ABA Filmes de Fortaleza (estado do Ceará) a incentivar sua aventura pelas caatingas baianas, encontrando o bando após inúmeros contatos com a malha protomafiosa de coiteiros que o assessorava nas investidas criminosas.

Realizado o filme e extensas sessões de fotografias com todo o grupo, Benjamin Abraão Botto não viveu o bastante para ver o resultado dos seus trabalhos cinematográfico e fotográfico. Foi assassinado de forma misteriosa no ano de 1937, enquanto Lampião e o bando, acossados com a repressão policial, teriam pouco tempo de atuação.
De acordo com Mello (1985, p. 199);

A habilidade do cinegrafista verdadeiramente das arábias chegou a ponto de lhe permitir, num requinte mercadológico, a obtenção de uma declaração passada e, o que é ainda mais incrível, futura e exclusividade para o documentário elaborado, constando esta de uma carta de próprio punho do bandido, que Abraão faria publicar com grande alarde e em fac-símile na edição de 18 de fevereiro de 1937 do Diário de Pernambuco. (...) É fácil avaliar a irritação do presidente Getúlio Vargas e do seu Departamento de Imprensa e Propaganda. Começava a contagem regressiva para a destruição do cangaceiro-mor. Afinal, como seria possível modelar um Brasil novo com Lampião espiando do terreiro?

O documentário elaborado por Benjamin Abraão Botto se responsabilizou pelo esclarecimento de vários subterfúgios dos coiteiros que assessoravam o cangaceirismo no Nordeste brasileiro, descortinando para os sulistas como estava montado o poderoso esquema que garantia parte do sucesso que Lampião alcançava.

A morte de Lampião
No dia 28 de julho de 1938 o grupo descansava às margens do riacho Angico, um pequeno afluente do rio São Francisco do lado sergipano. Uma volante sob o comando do tenente João Bezerra, auxiliada pelo aspirante Francisco Ferreira de Mello e pelo sargento Aniceto, conseguiu finalmente alcançá-los na grota de angicos, município de Poço Redondo, travando-se um tiroteio no qual onze cangaceiros e um soldado foram mortos, colocando-se um ponto final na atribulada atuação de Virgulino Ferreira da Silva como o mais bem sucedido chefe de bando do Nordeste Brasileiro. Segundo Araújo (1982, p. 34) até hoje não se sabe ao certo o nome de todos que tombaram em Angico. Recorrendo a imprescindível colaboração de ex-cangaceiros, como Dadá, Cila, Zé Sereno, Criança, Pitombeira e Balão relacionou Quinta-feira, Maria Bonita, Luiz Pedro, Mergulhão, Elétrico, Enedina, Cajarana, Tempestade e Marcela.

Nas proximidades da área onde foi travado o último combate do "rei do cangaço", no qual ele não conseguiu disparar um único tiro, estava a volante dos Nazarenos, que buscava a todo custo reivindicar a glória pela morte de Lampião. Consideraram o objetivo alcançado pelo oficial alagoano uma afronta, pois quem era para ter liquidado com o bandido deveria ter sido eles. Passaram quase duas décadas seguindo os seus passos. Suspeitava-se que João Bezerra realizava negócios escusos com Lampião, fornecendo-lhe armas e munição.

Procedida à rapina usual quando dos combates e mortes de cangaceiros, os corpos foram degolados e as cabeças levadas primeiro para a cidade de Piranhas (estado de Alagoas), palco de diversas tropelias de Lampião, inclusive de um ataque formidável quando a cangaceira Inacinha, esposa de um bandido apelidado Gato, havia sido capturada pela volante liderada pelo mesmo homem que comandou a chacina de Angicos.

As cabeças dos cangaceiros mortos foram levadas para o Instituto Médico Legal Nina Rodrigues, em Salvador (BA), onde foram estudadas pacientemente a fim de que revelassem sinais de degenerescências lombrosianas, tendo em vista que as teorias do médico-antropólogo italiano estavam em voga na época como forma de explicar a inserção de cidadãos comuns no mundo do crime.

Em maio de 1969, depois de mais de três décadas finalmente o que restou dos cangaceiros mortos em angicos foi enterrado no cemitério das Quintas, em Salvador, capital baiana, devendo-se a isso, em parte, à pressão do Dr. Sylvio Hermano de Bulhões, filho de Corisco e Dadá, que mobilizou a opinião pública para que pusessem fim a exposição bárbara dos restos mortais dos principais expoentes do ciclo épico do cangaço no século 20. (* contato com o autor: romero.cardoso@gmail.com)


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, Érico de. Lampeão, sua história. Parahyba/PB: Imprensa Official, 1926.

ARAÚJO, Antônio Amaury Correia de. Assim morreu Lampião. São Paulo/SP: Traço Editora Ltda., 1982.

CARVALHO, J. Rodrigues de. Serrote Preto: Lampião e seus sequazes. 2. ed. Rio de Janeiro/RJ: SEDEGRA S/A " Gráficos e Editores, 1974.

FERNANDES, Raul. A marcha de Lampião " assalto a Mossoró. 4. ed. Mossoró/RN: Fundação Vingt-un Rosado, 1999 (Coleção Mossoroense, Série "C", Vol. 1074).

MACIEL, Frederico Bezerra. Lampião, seu tempo e seu reinado (II " A Guerra de Guerrilhas " Fase de vinditas). Petrópolis/RJ: Vozes, 1985.

MACEDO, Nertan. Lampião " Capitão Virgulino Ferreira. 5. ed. Rio de Janeiro/RJ: Editora Renes, 1975.

Sinhô Pereira " O comandante de Lampião. São Cristóvão/RJ: Ed. Artenova S. A., 1975.

MELLO, Frederico Pernambucano de. Guerreiros do sol: O banditismo no nordeste do Brasil. Recife/PE: FUNDAJ / Ed. Massangana, 1985.

NÓBREGA, F. Pereira. Vingança, não " Depoimento sobre Chico Pereira e cangaceiros do Nordeste. 3. ed. João Pessoa/PB: Departamento de Produção Gráfica, 1989.

OLIVEIRA, Aglae Lima de. Adriana " A vida de uma professora no Estado de Pernambuco no tempo de Lampião. 2. ed. Recife/PE: FUNDARPE,1985.

(*) Prof. do departamento de geografia da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte



  Web site: www.ogirassol.com.br/pagina.php?editoria=Especial&idnoticia=14960  Autor:    (*) José Romero Araújo Cardoso - www.ogirassol.com.br


  Mais notícias da seção DIVERSOS no caderno ARTIGOS DE OUTROS AUTORES
05/10/2013 - DIVERSOS - Peregrino, seu destino é caminhar
Peregrino, seu destino é caminhar...
05/10/2013 - DIVERSOS - CRIME ORGANIZADO: NOVA LEI 12.850/13 E O PROBLEMA DA CONDUTA DOS AGENTES INFILTRADOS NO COMETIMENTO DE INFRAÇÕES PENAIS
CRIME ORGANIZADO: NOVA LEI 12.850/13 E O PROBLEMA DA CONDUTA DOS AGENTES INFILTRADOS NO COMETIMENTO DE INFRAÇÕES PENAIS...
05/10/2013 - DIVERSOS - As letras e a paz
Entre o completo vazio interior e a voz estridente de uma pluralidade de assuntos, há uma situação particularmente delicada. ...
05/10/2013 - DIVERSOS - O Advogado no universo jurídico
Muitos atores compõem o universo jurídico: juízes, membros do Ministério Público, advogados, peritos, serventuários e funcionários da Justiça, delegados de Polícia....
05/10/2013 - DIVERSOS - Presos e Esperança
O auditório da Corregedoria Geral de Justiça, na Praia do Suá, em Vitória, foi palco de uma oficina de trabalho promovida pela APAC, sigla gloriosa da "Associação de Proteção e Assistência aos Condenados"....
05/10/2013 - DIVERSOS - A inesquecível Nova Acauan
Os relatos do meu pai sobre a Fazenda Nova Acauan têm o condão de proporcionar a sensação de que eu por ali estive quando de sua juventude....
16/07/2013 - DIVERSOS - Mídia será alvo das manifestações
Alguns segmentos sociais precisam entrar em consonância com a sociedade brasileira. Um desses é a mídia brasileira, em especial os canais de televisão aberta....
16/07/2013 - DIVERSOS - Vida e morte, fluxo natural da existência
Como escreveu José Augusto Carvalho, no prefácio de "Verdes Versos": "O poeta (...) traduz para nós o que sua sensibilidade descobre, com palavras que não saberíamos dizer, mas que conseguem penetrar fundo no nosso coração e na nossa alma."...
16/07/2013 - DIVERSOS - VANDALISMO É NÃO TER ACESSO À JUSTIÇA
Nossa Constituição Federal promulgada em 05 de Outubro de 1988, no seu rol de direitos e garantias fundamentais, prometeu a cada cidadão brasileiro:...
05/07/2013 - DIVERSOS - Encontro do Direito com a Poesia
É possível o Direito encontrar-se com a Poesia? ...
05/07/2013 - DIVERSOS - E... O BRASIL MUDOU!
Não somos mais terra do samba e do futebol. Bom, na verdade, continuamos, sim, sendo a terra do ritmo mais contagiante e dos dribles mais desconcertantes do planeta. Mas, agora, somos também um País que seu povo exige respeito....
05/07/2013 - DIVERSOS - O plebiscito dos espertalhões vai tropeçar na revolta da rua e desaparecer no sumidouro que engole malandragens eleitoreiras
O plebiscito sobre a "reforma política" é o mais recente lançamento da usina de pirotecnias eleitoreiras instalada pelo bando de vigaristas, ineptos e gatunos que está no poder há mais de dez anos " e lá quer ficar para sempre....
05/07/2013 - DIVERSOS - MENSAGEM AOS JOVENS REBELDES QUE ACORDARAM O BRASIL
COM ESTE CARICATO PLEBISCITO, BASTA DE CINISMO, CORRUPÇÃO E DEBOCHE...
03/07/2013 - DIVERSOS - O Brasil parou!
Quem mais vai parar o Brasil?...
25/06/2013 - DIVERSOS - PRIMEIRAS IMPRESSÕES SOBRE A LEI 12.830/2013 " INVESTIGAÇÃO CRIMINAL CONDUZIDA PELO DELEGADO DE POLÍCIA
Em meio a toda uma polêmica sobre a questão da titularidade da Investigação Criminal no sistema processual penal brasileiro, vem a lume a Lei 12.830/12 que dispõe sobre a investigação criminal conduzida pelo Delegado de Polícia....
25/06/2013 - DIVERSOS - Primavera Brasileira
O movimento por um país mais administrativamente decente recebe crítica por sua principal virtude, o fato de não ter um dono....
25/06/2013 - DIVERSOS - Querem acabar a corrupção? Lutem por um Estado laico e combatam a intolerância Religiosa
A intensidade das manifestações populares crescentes por todo o Brasil, desenha-se um cenário histórico no país, e já são consideradas exemplo para o mundo....
25/06/2013 - DIVERSOS - Falso debate sobre a PEC 37
Paulo Moreira LeiteDesde janeiro de 2013, é diretor da ISTOÉ em Brasília. Dirigiu a Época e foi redator chefe da VEJA, correspondente em Paris e em Washington. É autor dos livros A Mulher que era o General da Casa e O Outro Lado do Mensalão....
25/06/2013 - DIVERSOS - Pedágios de pontes são inconstitucionais
Caro Leitor, preste bem atenção nesses dispositivos legais de nosso vigente Código Tributário Nacional...
09/06/2013 - DIVERSOS - MATERNIDADE DEVE SER PROTEGIDA PELA LEI MARIA DA PENHA
A criatividade e superação de cônjuges e companheiros, agressores domésticos, para eternizar o sofrimento de suas vítimas é algo verdadeiramente presente no dia-a-dia dos Juizados de Violência Contra a Mulher no País....
09/06/2013 - DIVERSOS - DESACATO CONTRA MILITAR DAS FORÇAS ARMADAS EM SERVIÇO ATÍPICO DE POLICIAMENTO É CRIME COMUM DE COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL
Em se tratando de funcionário militar federal, o crime é de competência da Justiça Comum Federal. ...
09/06/2013 - DIVERSOS - Sertão e Mundo
Por curiosa coincidência foram lançados em Vitória, dois livros que se completam levando o leitor a uma viagem dos sertões ao mundo....
09/06/2013 - DIVERSOS - NÃO EXISTE ANALOGIA SUBSTANCIAL PARA criança, adolescente, idoso, enfermo E pessoa com deficiência no enfrentamento À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA
Caro leitor, observe bem esta ementa de Acórdão do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais:...
09/06/2013 - DIVERSOS - Guantánamo
Guantánamo: em nome do "patriotismo", uns poucos torturam quase 200 prisioneiros. O objetivo não é matar e sim aterrorizar e vandalizar....
03/06/2013 - DIVERSOS - PROIBIÇÃO DE APROXIMAÇÃO E DEPENDENTES MENORES NA LEI MARIA DA PENHA
A criatividade e superação de cônjuges e companheiros, agressores domésticos, para eternizar o sofrimento de suas vítimas é algo verdadeiramente presente no dia-a-dia dos Juizados de Violência Contra a Mulher no País....
03/06/2013 - DIVERSOS - Uma FIFA da saúde pública
Não basta colocar nomes em tabela para depois dizer que isso não resolve o problema....
16/05/2013 - DIVERSOS - Anos de dor
Fatos escabrosos sobre o caos da saúde pública brasileira não deveriam chocar a mais ninguém devido à repetição diária e generalizada. Mesmo com tantas ocorrências, alguns chocam não pelo fato em si, mas pelo tempo de duração....
16/05/2013 - DIVERSOS - TOTALITARISMO, DIREITO PENAL DO INIMIGO, ELIMINAÇÃO E TORTURA
Ao cidadão estariam reservadas todas as garantias processuais e penais clássicas, mas para o inimigo essas garantias seriam bastante atenuadas ou mesmo suprimidas. ...
16/05/2013 - DIVERSOS - Brasil é o 15º a aprovar o casamento homossexual
Na distraída manhã de 14 de Maio de 2013, uma Terça-Feira, o Conselho Nacional de Justiça livrou dos grilhões os últimos esquecidos de nossa República, os homossexuais. Tardiamente, finalmente foi lhes conferido o direito ao casamento civil. ...
29/04/2013 - DIVERSOS - Discriminação do Aposentado
A discriminação do aposentado não é uma questão técnica simplesmente. ...



Capa |  ARQUIVO POLICIAL  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS  |  CRIMINOSOS CRUEIS  |  DESTAQUES  |  DIREITO & JUSTIÇA  |  LIÇÕES DE VIDA  |  MEUS ARTIGOS
Busca em

  
2102 Notícias


MEUS ARTIGOS
  DROGAS
  O CRACK DO OIAPOQUE AO CHUÍ
  SEGURANÇA PUBLICA
  Desarmar o povo é dar segurança aos marginais
  DIVERSOS
  APENAS UMA CARTA DE GRATIDÃO
  DIVERSOS
  O PROIBIDO REXSPY
  DIVERSOS
  O defunto que morreu duas vezes
  DROGAS
  O PODER SOBRENATURAL DO CRACK
  DIVERSOS
  UMA COMPARAÇÃO MITOLOGICA ENTRE OS AMORES DE ARES O DEUS DA GUERRA E LAMPIÃO O REI DO CANGAÇO
  CRIMES SEXUAIS
  O "ESTUPRADO"

DESTAQUES
  DIVERSOS
  Meritíssimo
  SEGURANÇA PUBLICA
  Insegurança nossa de cada dia
  JORNALISMO
  85 anos da Independência: Ode ao Quatro de Outubro
  DIVERSOS
  Sustentabilidade que não é a Ambiental

LIÇÕES DE VIDA
  DIVERSOS
  ABC da Cidadania
  DIVERSOS
  Professor saúda ABRAVIPRE e tradições libertárias do Ceará
  DIVERSOS
  Galinha Tonta
  DIVERSOS
  A morte de Josué de Castro no exílio

CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS
  DIVERSOS
  Caso Carlinhos
  HOMICIDIO
  O Maniaco da Cruz
  HOMICIDIO
  Febrônio Índio do Brasil " O Filho da Luz
  HOMICIDIO
  o caso Andrei Chikatilo:
  HOMICIDIO
  O caso Ted Bundy:
  DIVERSOS
  Os casos de Charles Manson:

CRIMINOSOS CRUEIS
  DIVERSOS
  Horror absoluto: o genocídio silencioso
  HOMICIDIO
  O perigo mora ao lado
  DIVERSOS
  Uma sociedade de matadores
  HOMICIDIO
  BELEZA MEDONHA
  DIVERSOS
  HITLER E A CRUZ JAÍNA OU SUÁSTICA
  DIVERSOS
  O MÉDIUM DO ANTICRISTO

DIREITO & JUSTIÇA
  JUSTIÇA
  O juiz, a imprensa, o mensalão
  DIVERSOS
  MEDIDAS PROTETIVAS DA LEI MARIA DA PENHA CONFERE CAPACIDADE POSTULATÓRIA À MULHER
  DIVERSOS
  O GIGANTE DESPERTOU E AGORA QUER ACESSO À JUSTIÇA
  DIVERSOS
  DIREITO PENAL E O TERROR DE ESTADO. EU VOU P"RÁ RUA, SIM!
  DIVERSOS
  Ex-senador Demóstenes Torres é denunciado por corrupção passiva pelo MP-GO
  DIVERSOS
  N O T A D E R E P Ú D I O
  DIVERSOS
  Uma constelação de pontos fora da curva
  DIVERSOS
  SALÁRIOS DO MINISTÉRIO PUBLICO E JUDICIÁRIO DA BAHIA

ARQUIVO POLICIAL
  DIVERSOS
  O MASSACRE DO CARANDIRU: A HISTÓRIA ESTAVA ESCRITA NAS PAREDES
  DIVERSOS
  Ex-agente da CIA diz que mais famosa captura de disco voador nos EUA é real
  DIVERSOS
  O HOMEM SUICIDA
  DIVERSOS
  Pareja ( I )
  DIVERSOS
  Bandido sangue bom
  HOMICIDIO
  O Crime de Olímpio Campos
  HOMICIDIO
  O Crime de Fausto Cardoso
  HOMICIDIO
  O crime praticado por Gilberto Amado