| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Folha do Delegado
Desde: 12/01/2011      Publicadas: 2101      Atualização: 14/12/2013

Capa |  ARQUIVO POLICIAL  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS  |  CRIMINOSOS CRUEIS  |  DESTAQUES  |  DIREITO & JUSTIÇA  |  LIÇÕES DE VIDA  |  MEUS ARTIGOS


 DIREITO & JUSTIÇA

  24/08/2012
  0 comentário(s)


FUNDAMENTAÇÃO DA SENTENÇA DE PRONÚNCIA E EXCESSO DE LINGUAGEM

A primeira turma do STF anulou sentença de pronúncia tendo em vista "excesso na linguagem", vez que o Juiz teria se manifestado acerca do mérito da causa, apontando que a autoria seria "certa" e que estaria provado ter havido crime de homicídio por motivo fútil (STF, 1ª. Turma, RHC 103.078, rel. Min. Marco Aurélio, j. em 21.08.2012).

FUNDAMENTAÇÃO DA SENTENÇA DE PRONÚNCIA E EXCESSO DE LINGUAGEMFUNDAMENTAÇÃO DA SENTENÇA DE PRONÚNCIA E EXCESSO DE LINGUAGEM

Autor: Eduardo Luiz Santos Cabette, Delegado de Polícia, Mestre em Direito Social, Pós " graduado com especialização em Direito Penal e Criminologia e Professor de Direito Penal, Processo Penal, Criminologia e Legislação Penal e Processual Penal Especial na graduação e na pós " graduação da Unisal.

A primeira turma do STF anulou sentença de pronúncia tendo em vista "excesso na linguagem", vez que o Juiz teria se manifestado acerca do mérito da causa, apontando que a autoria seria "certa" e que estaria provado ter havido crime de homicídio por motivo fútil (STF, 1ª. Turma, RHC 103.078, rel. Min. Marco Aurélio, j. em 21.08.2012).

A decisão da Suprema Corte é realmente digna de aplausos e faz valer as cláusulas do devido processo legal com relação à imparcialidade do órgão julgador e ao Princípio da Presunção de inocência.

A sentença de pronúncia como mera decisão interlocutória relativa à admissibilidade da acusação perante o Tribunal do Júri não pode converter-se pervertidamente em manifestação de mérito que pode influenciar os juízes de fato no futuro plenário. A pronúncia, portanto, deve reduzir-se ao reconhecimento da existência do crime e de indícios de autoria. Não deve jamais invadir a esfera de mérito para afirmar "certezas" ou "provas" definitivas, eis que este não é sequer o momento adequado para tanto. Essa espécie de "excesso de linguagem", conforme indica o decisório do E. STF, constitui espúria antecipação de julgamento com reflexos destrutivos no devido processo legal quanto à imparcialidade, à ampla defesa e, especialmente, à Presunção de Inocência. Ao Juiz na pronúncia cabe nortear-se pela devida discrição e comedimento.

Essa lição não é nova nem na doutrina, nem na jurisprudência, inclusive do Pretório Excelso:
"Por isso, não deve a pronúncia conter a exteriorização do convencimento do magistrado acerca do mérito da causa, pois isso certamente irá influenciar o ânimo dos jurados; assim, se, de um lado, está o juiz obrigado a fundamentar, por outro, prescreve a doutrina moderação nos termos empregados, sendo aconselhável consignar na decisão, sempre que houver controvérsias a respeito de pontos fundamentais, que a solução foi inspirada no desejo de deixar ao Júri o veredicto final.

O STF, no julgamento do HC 69.133 " MG, rel. Celso de Mello, concedeu a ordem para anular decisão de pronúncia que ultrapassara o mero juízo fundado de suspeita, expressando certeza de uma sentença condenatória (RTJ 140/917). Essa posição tem sido reiterada pela Suprema Corte, como se vê, por exemplo, no mais recente julgamento do HC 85.260 " RJ, rel. Sepúlveda Pertence: "é inadmissível a pronúncia cuja fundamentação extrapola a demonstração da concorrência de seus pressupostos legais (...) e assume, com afirmações apodíticas e minudência no cotejo analítico da prova, a versão acusatória ou rejeita peremptoriamente a da defesa" (j. 15.02.2005, DJU 04.03.05, p. 23, Boletim IBCCrim, 150/892)". (1)

Não se conclua, contudo, que a decisão de pronúncia, dada sua importância para o réu, possa ser despida de fundamentação. A fundamentação é uma das principais garantias do indivíduo submetido à persecução criminal. Sem ela inviável o contraditório e a ampla defesa. Mas, essa fundamentação deve limitar-se de acordo com a fase processual e o efetivo conteúdo e alcance da sentença de pronúncia, a qual não ultrapassa um juízo preliminar de admissibilidade de submissão do caso ao Tribunal do Júri que não somente é o Juiz Natural competente, mas também coberto pela soberania de suas decisões. Os contornos da fundamentação da pronúncia são dados pelos seus fins próprios e limitados de acordo com o artigo 413 e parágrafos, CPP. Como bem lembra Bonfim, "se o juiz pronunciante, em vez de proporcionar um juízo de suspeita para os jurados, concluir por um verdadeiro juízo de certeza, viola a cláusula do devido processo legal, ensejando a decretação de sua nulidade".(2) Então, a sentença de pronúncia deve ser fundamentada e bem fundamentada, mas dentro dos estreitos limites de suas finalidades, cujo extrapolar significa ingressar no campo da nulidade processual absoluta, eis que infratora de princípios constitucionais de altíssima relevância.

Com clareza peculiar, Silva e Freitas sumariam o devido proceder judicial na elaboração da sentença de pronúncia:

"Ao fundamentar a decisão com linguagem prudente, o juiz evita manifestação própria quanto ao mérito da acusação e se abstém de aprofundamento sobre a prova. Com redação sóbria, serena, equilibrada e comedida, influência alguma sobre os jurados exercerá, sob pena de se antecipar ao julgamento, provocando nulidade ao decisório". (3)

É finalmente interessante destacar que o julgado sob comento aponta para a inocuidade de que após rechear o "decisum" com toda uma argumentação que indica para a certeza de condenação, vir o julgador a afirmar textualmente que se trata de mera deliberação provisória. Ou seja, dizer que "não se trata de julgamento definitivo", mas discorrer o tempo todo fazendo uma argumentação com conteúdo claramente definitivo é uma contradição que sutilmente induz ao erro.

Como afirma o personagem Settembrini idealizado por Mann, "a palavra" é "o veículo do espírito, o utensílio e o resplandecente arado do progresso".(4) É verdade, mas também pode ser o véu por trás do qual as mais traiçoeiras e sutis induções se ocultam. O fato também não escapou ao poeta brasileiro Drummond que já consignava no poema intitulado "A flor e a náusea", que "sob a pele das palavras há cifras e códigos". (5) Portanto, é possível dizer que uma decisão não é definitiva, burilando as palavras para que ela se apresente sim como tal. E é isso que não pode ser permitido na fase de pronúncia e que o STF garantiu muito bem ao anular a sentença que continha essa mácula. O Pretório Excelso enxergou "sob a pele das palavras", decifrou suas "cifras e códigos" e aplicou o Direito ao caso concreto para estancar a mensagem ali contida, a qual poderia ferir mortalmente as garantias de um devido processo legal. Com essa mesma palavra a Corte Suprema foi o "veículo do espírito" do Processo Penal Constitucional, fazendo de sua jurisdição (ao dizer o Direito - "juris" "dictio") por meio da palavra, "utensílio e resplandecente arado do progresso". Progresso esse em direção a um Estado Constitucional de Direito, sempre em processo de construção e garantia.


1- GRINOVER, Ada Pellegrini, FERNANDES, Antonio Scarance, GOMES FILHO, Antonio Magalhães. As nulidades no Processo Penal. 9ª. ed. São Paulo: RT, 2006, p. 294.
2- BONFIM, Edílson Mougenot. Curso de Processo Penal. 7ª. ed. São Paulo: Saraiva, 2012, p. 628.
3-SILVA, Marco Antonio Marques da, FREITAS, Jayme Walmer de. Código de Processo Penal Comentado. São Paulo: Saraiva: 2012, p. 641.
4-MANN, Thomas. A montanha mágica. Trad. Herbert Caro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006, p. 157.
5-ANDRADE, Carlos Drummond de. Reunião Drummond. 9ª. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1978, p. 78.



REFERÊNCIAS:

ANDRADE, Carlos Drummond de. Reunião Drummond. 9ª. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1978.

BONFIM, Edílson Mougenot. Curso de Processo Penal. 7ª. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

GRINOVER, Ada Pellegrini, FERNANDES, Antonio Scarance, GOMES FILHO, Antonio Magalhães. As nulidades no Processo Penal. 9ª. ed. São Paulo: RT, 2006.

MANN, Thomas. A montanha mágica. Trad. Herbert Caro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

SILVA, Marco Antonio Marques da, FREITAS, Jayme Walmer de. Código de Processo Penal Comentado. São Paulo: Saraiva: 2012.
  Autor:    Eduardo Luiz Santos Cabette


  Mais notícias da seção DIVERSOS no caderno DIREITO & JUSTIÇA
05/10/2013 - DIVERSOS - MEDIDAS PROTETIVAS DA LEI MARIA DA PENHA CONFERE CAPACIDADE POSTULATÓRIA À MULHER
É regra de nosso Direito Pátrio a imprescindibilidade de Advogado ou Defensor Público para propositura de Ação junto ao Poder Judiciário....
16/07/2013 - DIVERSOS - O GIGANTE DESPERTOU E AGORA QUER ACESSO À JUSTIÇA
Estava tudo pronto para iniciarmos um novo Brasil. Um País aonde o acesso à Justiça nos seus quatro cantos seria uma garantia fundamental posta efetivamente à disposição do cidadão, quando violado seu direito por outrem, inclusive pelo próprio Poder Público. ...
05/07/2013 - DIVERSOS - DIREITO PENAL E O TERROR DE ESTADO. EU VOU P"RÁ RUA, SIM!
Amigo leitor, você já ouviu falar de crise no sistema penitenciário do Antigo Egito, do Império Romano, da Civilização Asteca, da Coroa Portuguesa ou de qualquer outra poderosa Nação que tenha dominado outros povos e vastos territórios?...
25/06/2013 - DIVERSOS - Ex-senador Demóstenes Torres é denunciado por corrupção passiva pelo MP-GO
O Ministério Público de Goiás (MP-GO) ofereceu na manhã desta segunda-feira (24) denúncia contra o ex-senador e procurador de Justiça Demóstenes Torres....
25/06/2013 - DIVERSOS - N O T A D E R E P Ú D I O
Tendo em vista a agressão verbal feita pelo Presidente da Associação Paulista do Ministério Público em entrevista concedida à imprensa no dia 22/06/2013, Sr. Felipe Locke Cavalcanti, ao dizer "Não podemos deixar o controle das investigações nas mãos dos corruptos", ofendendo, assim, toda a Polícia, que tem se dedicado na defesa da sociedade como um...
25/06/2013 - DIVERSOS - Uma constelação de pontos fora da curva
O novo ministro, Barroso, disse que o julgamento do mensalão foi um ponto fora da curva, dando vazão à sua alma de defensor, em vez de execrar o crime, como fizeram os ministros do STF, citando que aquele foi o mais atrevido e escandaloso ato de corrupção pessoal, política e partidária nunca antes ocorrido na História deste país! ...
29/04/2013 - DIVERSOS - SALÁRIOS DO MINISTÉRIO PUBLICO E JUDICIÁRIO DA BAHIA
LEI Nº 12.805 DE 23 DE ABRIL DE 2013LEI Nº 12.806 DE 23 DE ABRIL DE 2013...
17/04/2013 - DIVERSOS - Discussão sobre investigação pelo MP é maniqueísta
O Código Penal tipifica uma quantidade quase infinita de delitos, mas nas varas e tribunais do país, os juízes julgam praticamente seis crimes: tráfico, homicídio, roubo, furto, estelionato e estupro. E metade é tráfico. Enquanto legisladores e juristas discutem a ampliação ainda maior dos tipos penais, o juiz Guilherme de Souza Nucci aponta para o...
09/04/2013 - DIVERSOS - TOURINHO NETO DEFENDE A PEC 37
Para Tourinho Neto, procuradores invadem a competência do juiz ao oferecer denúncia como se fosse "sentença condenatória"...
08/04/2013 - DIVERSOS - Memória e Verdade
Se o Supremo Tribunal já jogou uma pá de cal para cobrir os ignóbeis atos de tortura, para que serve a Comissão da Verdade?...
02/04/2013 - DIVERSOS - Para AGU, Ministério Público não pode realizar investigação criminal
De acordo com a AGU (Advocacia-Geral da União), o MPF (Ministério Público Federal) não tem competência para realizar investigações criminais. ...
28/03/2013 - DIVERSOS - ADPF 153: A LEI DE ANISTIA ANTE O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL - UMA VISÃO CONSTITUCIONAL, PENAL E INTERNACIONAL
O presente estudo tem por objeto os diversos aspectos que envolvem a Lei de Anistia no Brasil (Lei n° 6683/79), dentre eles uma breve passagem acerca do fundo histórico que lastreia o tema e, mais enfaticamente, o julgamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental n° 153, no Supremo Tribunal Federal....
03/03/2013 - DIVERSOS - Defensoria pública tutela necessitados do ponto de vista organizacional
A vida em sociedade nos revela a presença de grandes conglomerados econômicos, institucionais ou mesmo governamentais extremamente organizados, e, de outro lado, uma massa de pessoas usuárias, consumidoras ou manipuladas, afetadas diretamente pela atuação ilícita ou abusiva daqueles grupos caracterizados pelo seu império econômico ou político....
29/01/2013 - DIVERSOS - STF, corrupção e tortura
Pretendemos neste artigo propor uma reflexão comparativa sobre o comportamento do Supremo quando se defronta com crimes contra a administração pública e crimes contra a pessoa humana....
26/12/2012 - DIVERSOS - Direito e Justiça
Desejo propor neste artigo cinco reflexões sobre o Direito e a Justiça....
26/12/2012 - DIVERSOS - Eleições na OAB, uma questão nacional
Realizaram-se recentemente, em todo o país, as eleições para a escolha dos Conselhos estaduais e Conselhos municipais da OAB....
26/12/2012 - DIVERSOS - Palestina na ONU
Finalmente a ONU reconheceu o Estado da Palestina....
19/12/2012 - DIVERSOS - A ABRAVIPRE denuncia mais um caso de desagregação familiar
Mesmo sabendo do que ocorre com as pessoas que deixam as fileiras das Testemunhas de Jeová, voltamos a nos comover a cada novo relato público que chega ao conhecimento de nossa entidade, como por exemplo o que nos foi enviado pelo Sr. Luiz Alberto Araújo Bezerra, o qual transcrevemos na íntegra, para demonstrar o quão doloroso, difícil, sofrido e p...
29/11/2012 - DIVERSOS - PLP nº 114/2011 promove democratização do acesso à Justiça
Na triunfante tarde de 21 de Novembro de 2012 o Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília, aprovou por unanimidade o Projeto de Lei Complementar nº 114/2011, que cuida da adequação da Lei de Responsabilidade Fiscal à autonomia administrativa, financeira e orçamentária da Defensoria Pública, já ditada pela Emenda Constitucional nº 45, desde 2004...
13/11/2012 - DIVERSOS - O bom Direito
Este artigo não se refere a pessoas, mas sim a princípios jurídicos. Suponho que a leitura será proveitosa, não apenas para quem integra o mundo do Direito, mas para os cidadãos em geral.Os princípios são aplicáveis hoje, como foram aplicáveis ontem e serão aplicáveis amanhã....
29/10/2012 - DIVERSOS - JUIZ NA BERLINDA
Indignado por não ter conseguido cancelar uma linha celular, o juiz da 28ª Vara Cível, Magno Alves de Assunção, não poupou esforços fora da lei. Deu voz de prisão para três funcionários, um deles com ordem para ser algemado, da operadora Vivo do Shopping Tijuca. O caso foi parar na 19ª DP (Tijuca). As imagens, captadas pelo circuito interno de câme...
23/10/2012 - DIVERSOS - A sustentabilidade e o Poder Judiciário
A sustentabilidade é um conjunto de ações e atividades desenvolvidas pelo homem com o fim de suprir as necessidades do próprio ser humano do Século XXI, sem que haja comprometimento das gerações futuras. A sustentabilidade tem tudo haver com o desenvolvimento econômico e material da sociedade atual, sem que haja, porém, agressão ao meio ambiente, o...
19/10/2012 - DIVERSOS - Lewandowski entra para a História como o pior ministro que o Supremo já teve.
Reportagem de Débora Zampier, da Agência Brasil, mostra que o ministro Ricardo Lewandowski, revisor da Ação Penal 470, resolveu rasgar a fantasia e absolveu todos os 13 réus acusados de formação de quadrilha no Capítulo 2 do processo do mensalão....
03/10/2012 - DIVERSOS - Justiça Eleitoral mata liberdade de expressão
Sob o argumento principal de que liberdade tem limites, o juiz da 35ª zona eleitoral, Flávio Saad Peron, de Mato Grosso do Sul, determinou a prisão do representante do google no Brasil por não ter retirado uma propaganda do site Youtube no prazo estipulado pelo magistrado sob a alegação de ofensa de um candidato ao outro. Não se vai tratar aqui do ...
15/09/2012 - DIVERSOS - A CRÔNICA DE UM CRIME ANUNCIADO
Quando criança, entrava nas casas alheias para merendar, jogar vídeo-game, para trocar de roupa, para trocar de tênis e, depois de algum tempo, também para levar algum dinheiro ou objeto....
14/08/2012 - DIVERSOS - Suprema importância
Eu vi os dois primeiros dias do julgamento do mensalão. E, data venia , vi que há no Tribunal alguma coisa nascendo nas frestas dos rituais solenes: os indícios de um fato histórico: o STF está mais ligado ao mundo real, mais atento à opinião pública (por que não?)....
14/08/2012 - DIVERSOS - O SUPREMO ENXOVALHADO
NUNCA ANTES NA HISTÓRIA "DESTEPAIZ" O SUPREMO FOI SUBMETIDO A TAL ENXOVALHO. OU: NÃO HÁ ESCAPATÓRIA: OS 11 DO STF TAMBÉM ESTARÃO VOTANDO O DESTINO DE UMA INSTITUIÇÃO...
31/07/2012 - DIVERSOS - O alarmante custo de R$ 2,7 mil/mês para cada ação judicial
Tribuna da Internet, segunda-feira, 30 de julho de 2012 | 18:31...
30/07/2012 - DIVERSOS - Brasil Verdade e a lei de lavagem de dinheiro
Em 09 de julho deste ano foi promulgada a lei nº 12.683. Uma das principais novidades é a possibilidade de punição pela "lavagem de dinheiro" de qualquer origem ilícita inclusive jogo do bicho, caça níquel, bingos etc. Por este motivo a Brasil Verdade está oficiando a todas as Corregedorias (de Justiça, de Polícia, do MP etc.) e representando pelo ...



Capa |  ARQUIVO POLICIAL  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CASOS POLICIAIS MISTERIOSOS  |  CRIMINOSOS CRUEIS  |  DESTAQUES  |  DIREITO & JUSTIÇA  |  LIÇÕES DE VIDA  |  MEUS ARTIGOS